Animais atingidos a tiro em aldeia de Portugal

Animais atingidos a tiro em aldeia de Portugal
Gata ‘Pulga’ ficou com as patas de trás paralisadas depois de ter sido atingida com um disparo e o cão ‘Lucky’ morreu (Foto: CMTV)

Quatro animais foram atingidos a tiro ou apedrejados nos últimos dois meses na mesma rua em Vila Nova, Cantanhede. Dois – um cão e um gato – morreram e os outros ficaram com sequelas graves. Os moradores estão revoltados e querem justiça.

A última vítima foi o ‘Lucky’, um cão de três anos sem raça definida, atingido com tiros de pressão de ar. Ainda chegou com vida a casa e os donos levaram-no ao veterinário, mas os dois projéteis que tinha no abdómen atingiram órgãos vitais e acabou por morrer.

“Isto é pura maldade. O ‘Lucky’ era um cão meigo, que não fazia mal a ninguém, nem estragava nada”, refere o dono, Pedro Meireles, ao lembrar que este não foi um caso isolado. Um mês antes a gata ‘Pulga’ foi também atingida com um projétil de pressão de ar, do mesmo calibre (5.5 milímetros), que está alojado na coluna , tendo ficado paraplégica. Um outro gato, de um vizinho, foi apedrejado até à morte na mesma rua. “Foi encontrado com o nariz desfeito e uma pedra na boca”, conta Lígia Marques, filha do dono do felino. Na mesma rua foi encontrado outro gato “cravado de projéteis”, que sobreviveu.

A população não tem suspeitos, mas em comum existe o facto de todos os animais serem encontrados na mesma rua.

Pedro Meireles diz ter ido à GNR, que inicialmente “colocou algumas dificuldades” à apresentação de queixa, mas fonte da Divisão de Relações Públicas refere, numa nota enviada ao CM, que foi elaborado um auto de denúncia.

Por Paula Gonçalves

Mantida a grafia lusitana original.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.