Animais de grande porte são flagrados soltos em ruas e rodovias de Rio Preto, SP

Animais de grande porte são flagrados soltos em ruas e rodovias de Rio Preto, SP
Animais de grande porte são flagrados soltos nas ruas de Rio Preto (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM

Animais de grande porte têm sido flagrados com frequência soltos em ruas e rodovias de São José do Rio Preto (SP) e colocado em risco os motoristas da região.

A equipe de reportagem da TV TEM flagrou um cavalo pastando no bairro Bosque da Felicidade, ao lado de uma rua onde passam carros e motocicletas constantemente. O animal chega a atravessar a via e traz risco para quem transita no local.

VÍDEO: Animais de grande porte são flagrados soltos em vicinal de Rio Preto

No mês passado, Dailson Angelo pilotava uma moto no bairro Nato Vetorazzo e bateu em um cavalo solto. Ele teve vários ferimentos e até hoje não se recuperou.

“Saiu do canteiro e entrou na avenida. Não tive tempo de frear e com a colisão eu tive danos materiais, ferimentos e o animal também se machucou”, lembra.

Não há um departamento específico para fiscalizar os animais que são encontrados soltos na cidade, mas tanto a Polícia Militar quando a Guarda Civil Municipal atendem estes casos.

A PM recebe várias reclamações deste tipo pelo 190, mas a única medida que pode ser tomada é tentar identificar o dono ou levar o animal para um lugar seguro onde não cause acidente.

Já a Guarda Municipal pode mandar recolher os animais de grande porte que causam risco ao trânsito. Em 2017, 38 foram apreendidos e neste ano já são mais de 30 animais recolhidos.

“Nós recebemos esta comunicação via 153 que é nosso telefone, mandamos uma viatura, verificamos o animal solto, acionamos a empresa licitada para fazer o trabalho, ele é recolhido e cuidado em local específico”, explica o comandante da guarda Silvio Pedro.

Para recuperar o animal é necessário que o tutor pague uma taxa.

Animais soltos em ruas podem ser recolhidos pela Guarda Municipal de Rio Preto (SP) — Foto: Reprodução/TV TEM

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: Só lembrando que as vítimas mais frequentes são os animais, que raramente sobrevivem ou ficam sem sequela grave.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.