Animais em tempos de COVID-19: fome, sede e sofrimento daqueles que não têm a quem pedir ajuda

Animais em tempos de COVID-19: fome, sede e sofrimento daqueles que não têm a quem pedir ajuda

Muito se fala sobre o impacto da quarentena de prevenção ao Covid-19 na economia. Mesmo quem reconhece a importância de se observar estritamente as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), que preconiza o “isolamento horizontal” – isto é, de toda a sociedade e não somente dos grupos de risco – como método preferencial para frear o avanço do Coronavírus sabe que muitos negócios podem quebrar, principalmente aqueles de pequeno porte, caso medidas de proteção não sejam tomadas.

Polêmicas à parte, existe um fato: muitos animais de rua eram alimentados com sobras de restaurantes, com “petiscos” oferecidos pelos clientes de bares, pastelarias e quiosques, ou se serviam de comedouros e bebedouros colocados em frente de alguns estabelecimentos comerciais – em Santo André (SP), por exemplo, a rede D’ Calçados nunca deixa faltar ração e água para os animais sem tutor ou que acompanham moradores de rua e carroceiros pelas movimentadas ruas do Centro. Como fica a situação desses bichos agora, sem ninguém pelas ruas? Quem os ajudará?

Preparamos algumas dicas para você aliviar o sofrimento desses bichos que já passam maus bocados pelo fato de não terem um lar adequado:

  1. Sabe aqueles pratinhos de isopor e papelão no qual vêm acomodadas frutas, verduras e legumes? Eles são perfeitos para você colocar pequenas porções de ração e deixar em locais estratégicos: por exemplo, sob marquises e em praças (procure um cantinho coberto para proteger a comida, caso chova).
  2. Potes vazios de margarina, sorvete e similares são ótimos para deixar água limpa à disposição dos bichos. O ideal é trocar a água duas vezes ao dia, mas uma vez já ajuda muito.
  3. Ofereça pacotes pequenos de ração para carroceiros e moradores de rua que tenham companheiros de quatro patas. Lembre-se de também oferecer ajuda (alimento, água fresca e limpa, roupa) para os seres humanos em situação de rua. Afinal, eles também sofrem e não têm o benefício de um teto para protegê-los nestes tempos de pandemia;
  4. Diariamente, recolha e descarte os restos de alimento e água que você deixou na rua, para que não atraiam ratos e insetos. Não queremos que, além do Covid-19, ainda tenhamos surtos de dengue e leptospirose, não é mesmo?
  5. Se os seus vizinhos forem colaborativos e houver animais em situação de rua nas imediações, combine com eles de deixar uma ou mais casinhas para que os bichinhos tenham onde se abrigar caso chova. Essa dica é válida sempre, não apenas no cenário atual.
  6. Lembre-se: sempre que voltar da rua para casa, tire os sapatos, lave as mãos muito bem e troque de roupa. Se possível, use luvas fora de casa. Fazer a sua parte por aqueles que estão sofrendo deve ser um prazer, jamais um risco para a sua saúde.

A fase difícil que o mundo inteiro está passando chegará ao fim. Se ela ao menos servir para nos tornar mais solidários e atentos ao sofrimento alheio, terá servido para algo útil. Até lá, boa sorte para todos nós!

Por Sílvia Lakatos

Fonte: Olhar Animal