Animais morrem envenenados em São João del Rei, MG

Integrantes de entidade protetora de animais denunciaram, na semana passada, que o número de gatos envenenados em São João del-Rei está aumentando. “Mais de 20 já morreram e o crime acontece principalmente na região do Bairro Fábricas e da Avenida Leite de Castro”, afirma a presidente da Sociedade São Francisco de Assis de Proteção aos Animais, Mara Nogueira Souto.

Quando começou

Conforme a presidente, o problema surgiu há cerca de um ano. Entretanto, há algumas semanas os moradores desses locais têm reclamado da crueldade. “Começamos a suspeitar que seja envenenamento porque, quando pegamos o bichinho, ele não tem nenhum sinal de ferimento ou atropelamento. Depois disso, já tive a oportunidade de ir a esses lugares de maior incidência e encontrar comida com o veneno”, esclarece.

Ainda de acordo com Mara, “os gatos são alvos fáceis, por não serem muito caseiros e terem a necessidade de sair. Na maioria das vezes, o envenenamento acontece em regiões com muitos criadouros de pássaros”.

Dificuldades

Apesar da existência da Lei Federal que torna crime qualquer tipo de maltrato a animais domésticos, Mara confessa que enfrenta dificuldades para tomar medidas contra essa brutalidade. “Realizamos manifestações e campanhas através da nossa página no Facebook buscando alertar e educar as pessoas para que não cometam esse tipo de atrocidade. Porém, não conseguimos tomar nenhuma medida mais forte, já que para fazer um Boletim de Ocorrência (B.O.) precisamos ter algum suspeito e fica difícil. A maioria dos crimes acontece à noite”, esclarece.

Como evitar

Mara ainda alerta que, em caso de envenenamento, deve-se evitar que o animal consuma água ou leite. “Essas substâncias ativam o veneno. Para não deixar que o animal morra pela substância, ele deve ingerir azeite, carvão ativado e água oxigenada de 10 volumes. Assim o bichinho vomita”, conclui.

Fonte: Gazeta de São João del-Rei

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.