Animais mortos não podem ser enterrados nos quintais das casas

Animais mortos não podem ser enterrados nos quintais das casas

Os animais mortos não podem ser enterrados em quintais. A informação é do Centro de Zoonoses de Catanduva (SP). Ainda de acordo com o setor, os tutores dos animais ou moradores que encontrarem os cadáveres, devem fazer o encaminhamento ao Centro de Zoonoses. A empresa responsável pelo serviço é a Constroeste (ganhadora da licitação).

“Animais mortos podem ser trazidos ao Zoonoses por qualquer pessoa, pois a empresa responsável efetuará o destino correto dos cadáveres”, informa o Centro de Zoonoses.

Vários leitores de O Regional dizem que ligam no Centro de Zoonoses pedindo para retirar da rua animais que são atropelados e, consequentemente são mortos. Mas o retorno que a população recebe é que ninguém realiza esse serviço em Catanduva.

De acordo com a dona de casa Maria Amélia da Fonseca, moradora do bairro Martani, um cachorro foi atropelado e morreu na rua e ninguém da prefeitura retirou o cachorro de lá.

“Liguei na prefeitura que me passou o telefone do Zoonoses. Liguei lá e falaram que eles não retiram animais mortos e que não tem o serviço para enterrar o animal ou cremar. Só sei que um fica empurrando para o outro. Pediram para ligar no Meio Ambiente, liguei e também falaram que não podiam fazer nada. Este cachorro está aqui e vai estourar já já”, relata Maria Amélia que diz que o cachorro deve ser de rua e não tem como enterrar o animal, já que é proibido. Já o setor reafirma que é só levar o animal no Centro de Zoonoses que a empresa Constroeste realizará o descarte de maneira correta.

CASTRAÇÃO

Outro serviço realizado pelo Centro de Zoonoses é o de castração que em 2015 realizou 49 castrações no bairro Nova Catanduva I.

Dentre os outros serviços realizados pelo Zoonoses também estão orientações e prevenções para doenças transmitidas por vetores que possam acometer o homem.“Entre essas doenças, orientamos a população sobre a Leishmaniose e Raiva, Malária e Febre Amarela. Além de oferecer orientações e vistorias para ocorrências com animais peçonhentos”, informa o setor.

ANIMAIS RECOLHIDOS

Outra informação importante para a população é que os animais vindos por autoridades como Polícia Ambiental, Guarda Civil, Patrulha Ambiental, Bombeiros, também são acolhidos e cuidados até que possam estar disponíveis para adoção.

“E como já citado, com o serviço de castração dos projetos implantados e a serem implantados, a contenção na proliferação de animais é importantíssima, devendo o projeto recomeçar após a reforma da Unidade e os acertos que se façam necessários”, esclarece.

PROIBIDO ENTERRAR EM QUINTAL

Quando um animal de estimação morre, a primeira atitude do tutor é enterrá-lo no quintal. Para que de certa forma, o pet querido continue perto dos membros da família. No entanto é proibido enterrar animais em quintal. O motivo é que pode causar danos para a saúde de outros animais, dos familiares e também ao meio ambiente.

Mesmo embalados em saco plástico resistente, o necrochorume dos corpos em decomposição vai inevitavelmente contaminar o solo e lençóis freáticos.

Se o animal morreu em decorrência de doenças que podem ser transmitidas ao homem, como toxoplasmose, leptospirose, raiva, psitacose (em aves), viroses transmitidas entre animais ou de causa desconhecida, a situação é mais grave ainda.

SERVIÇO

O Centro de Zoonoses de Catanduva está localizado na Rodovia Vicente Sanches, s/n, no KM – 1. O telefone para mais informações é (17) 3524-2445.

Por Karla Sibro

Fonte: O Regional


Nota do Olhar Animal: Seria mais interessante que, ao invés da proibição, a população fosse orientada sobre como proceder para fazer o sepultamento (por exemplo, colocando cal no fundo da cova). Muitas pessoas não querem que seus animais sejam descartados como lixo em aterros sanitários e acabam sepultando os animais sem os devidos cuidados exatamente pela falta de informações.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.