Animais resgatados durante as queimadas na Serra do Amolar serão devolvidos ao Pantanal

Animais resgatados durante as queimadas na Serra do Amolar serão devolvidos ao Pantanal
Onça-pintada resgata da incêndios no Pantanal de MS. — Foto: Imasul/Divulgação

Dois dos animais resgatados durante as queimadas na Serra do Amolar, no Pantanal de Mato Grosso do Sul, serão devolvidos à natureza. De acordo com a equipe do Centro de Reabilitação dos Animais Silvestres (CRAS) e o Grupo de Resgate Técnico Animal (GRETAP-MS) a onça-pintada e a cutia já estão na fase final do tratamento.

Vídeo: Cotia e onça feridas em incêndio no Pantanal de MS continuam em tratamento.

Segundo o veterinário Lucas Cazati, responsável pelo tratamento, os bichos chegaram muito debilitados devido a queimaduras nas pastas e por respirarem grande quantidade de monóxido de carbono, resultado das fumaças.

“”Hoje a onça está em plena ascendência, ela vem se recuperando das lesões causadas pelo fogo nas pernas e patas e também de uma pneumonia, e está na fase final do tratamento. Já a cutia está se alimentando muito bem e em breve também voltará para a natureza”, confirma o médico.

Nem todos os animais resgatados das áreas queimadas conseguiram sobreviver. “Um exemplo é a anta que chegou amplamente queimada para nós, recebeu o tratamento, mas a parte da barriga veio bastante prejudicada. Fizemos inovações como pele de tilápia, mas infelizmente por conta da aspiração da fumaça ela não aguentou e veio a óbito”, disse Cazati.

Mesmo após o fim do período de queimadas, o trabalho irá continuar na região Pantaneira. Segundo o veterinário, a Gretap e outros parceiros irão monitorar todas as áreas queimadas para contribuir com a volta da fauna e ajudar os bichos na reabilitação.

“As equipes irão fazer dissipação de alimentos por conta da fome cinza, já que a nossa preocupação está voltada, no momento, para aqueles que ficaram no local, para que eles se alimentem e se reabilitem por conta própria com a distribuição desses alimentos”, finaliza.

Por Débora Ricalde, estagiária supervisionada por João Pedro Godoy

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.