Animais silvestres são resgatados de criadouro clandestino no Amazonas

Animais silvestres são resgatados de criadouro clandestino no Amazonas

Animais resgatados serão encaminhados para o Cetas do Ibama. No local também foram encontradas várias armas; homem foi detido. 

Por Leandro Tapajós

AM itacoatiara batalhao2

Policiais do Batalhão Ambiental encontraram animais da fauna amazônica, armas e munições em uma residência na Comunidade Nossa Senhora Aparecida, no km 45 da AM-010, rodovia que liga Manaus ao município de Itacoatiara. No local funcionava um criadouro de animais silvestres. A ação ocorreu na manhã desta terça-feira (15) e resultou na detenção de um homem de 56 anos. Ele deverá responder por guarda ilegal de animal silvestre e porte ilegal de armas.

Segundo informações da Polícia Militar, guarnições do Batalhão Ambiental e da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) se dirigiram até a residência após receberem uma denúncia pelo ‘Linha Verde’ – número telefônico pelo qual podem ser feitas denúncias de crimes ambientais – e encontraram dois porcos do mato, três jabutis, duas motosserras sem licença para porte e uso, cinco espingardas, um rifle, uma caixa de espoleta, 10 cartuchos intactos e chumbinho.

Um homem que estava no local foi detido e encaminhado para o 26º Distrito Integrado de Polícia (DIP), na capital, para prestar depoimento. Ele deve responder pelos crimes de guarda ilegal de animal silvestre e pelo porte ilegal de armas. A pena pode chegar até dois anos de prisão.

AM itacoatiara batalhao1

De acordo com informações do Batalhão Ambiental, os animais resgatados serão encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Denúncias de crimes contra o meio ambiente podem ser feitas por meio do ‘Linha Verde’ pelo número (92) 8842-1547. A guarda de animais silvestres é proibida e só pode ocorrer mediante autorização concedida pelos órgãos ambientais.

AM itacoatiara bata

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.