Animais vítimas de maus-tratos em canil clandestino em Búzios, RJ, são entregues a defensores

Animais vítimas de maus-tratos em canil clandestino em Búzios, RJ, são entregues a defensores
Animais vítimas de maus-tratos em canil clandestino em Búzios, RJ, são entregues a defensores — Foto: 127ª DP

Policiais civis da 127ª DP, em Macaé, entregaram para defensores voluntários, neste sábado (12), os animais que foram resgatados de um canil clandestino em Armação dos Búzios, na Região dos Lagos do Rio, na sexta-feira (11).

De acordo com a polícia, os voluntários compareceram à delegacia e assumiram o compromisso de cuidarem dos animais até a decisão definitiva sobre a tutela deles.

Canil clandestino funcionava em residência

Os animais entregues a tutores neste sábado (12) eram mantidos em condições precárias em uma residência no bairro Tartaruga. (assista vídeo abaixo)

VÍDEO: Cães são resgatados em condições de maus-tratos em Búzios, no RJ

No local, os agentes encontraram 13 animais em condições de maus-tratos.

Os responsáveis pelo espaço, pai e filho, foram conduzidos à delegacia. Em depoimento, eles disseram que criam os animais no inverno para vender e complementar a renda.

A polícia acredita que os animais resgatados em condições precárias eram usados somente para procriar.

Cães foram resgatados pela Polícia Civil de Búzios após fechamento de canil clandestino — Foto: Arquivo pessoal
Cães foram resgatados pela Polícia Civil de Búzios após fechamento de canil clandestino — Foto: Arquivo pessoal

A policia informou que chegou ao local depois de denúncias e que todos, entre eles cães da raça pit bull, pit monster e american bully, sofriam algum tipo de maus-tratos, estando confinados em espaços pequenos, machucados e sem alimentação adequada.

Dos 13 animais resgatados, três foram encaminhados para atendimento veterinário.

As duas pessoas detidas vão responder pelo crime de maus-tratos à animais, segundo a polícia.

A polícia pede que os interessados em adotar os cães liguem para o telefone (21) 99191-7008.

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.