Anta que atacava moradores sobrevive a incêndio e é capturada pela PM no interior de RR

Anta que atacava moradores sobrevive a incêndio e é capturada pela PM no interior de RR
Anta era conhecida na região do Cantá por atacar os moradores. — Foto: Divulgação/Cipa

Uma anta foi capturada pela Polícia Militar no município de Cantá, ao Norte de Roraima, na manhã dessa sexta-feira (16). Uma agricultora de 32 anos encontrou o animal em uma área de mata que foi atingida por fogo.

A mulher contou à PM, que a anta estava bastante ferido e após resgatá-la, ela precisou cuidar dos machucados. A agricultora disse ainda que manteve o animal livre e acionou outros órgãos ambientais para resgatar o bicho.

De acordo com os moradores da região, a anta costumava andar livremente pela cidade, mas atacava as pessoas e se alimentava das plantações dos agricultores do município.

Anta depois de ser capturada pela Cipa. — Foto: Diulgação/Cipa

O pesquisador ecólogo da Universidade Federal de Roraima, Whaldener Endo, disse que o bicho deve ter se acostumado com a presença humana por causa dos alimentos. As antas são animais herbívoros, que se alimentam de frutos e folhas.

“Antas são animais extremamente ariscos. Portanto, se realmente atacava moradores é porque era um bicho que se habituou à presença humana, ou era mantida em cativeiro e foi solta, ou porque era atraída por alimentos. Mesmo nesta situação, antas atacarem humanos é algo totalmente atípico”, explicou o ecólogo.

Em uma das ocasiões, segundo moradores, ela mordeu o braço de um homem que vive na região, o que motivou uma denúncia para que a Companhia Independente de Policiamento Ambiental fosse capturá-la.

A anta foi encontrada pela PM às margens de um igarapé. Depois de presa, ela foi levada ao Centro de triagem de animais silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Boa Vista. 

Animal andando livremente. — Foto: Divulgação/Cipa

Por Fabrício Araújo

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.