Apesar da proibição, moradores da Costa Rica realizaram ‘lagarteada’ e polícia resgata o crocodilo

Apesar da proibição, moradores da Costa Rica realizaram ‘lagarteada’ e polícia resgata o crocodilo

Apesar da operação que as autoridades efetuaram para evitar que na Sexta-Feira Santa os moradores da comunidade de Ortega de Santa Cruz, Guanacaste, Costa Rica, realizassem a tradicional “lagarteada”, estes conseguiram capturar um crocodilo.

Argenis Hidalgo, do site Guana/Noticias mostrou imagens quando a Força Pública, em coordenação com o pessoal do Sistema Nacional de Áreas de Conservación (SINAC), resgatou o animal de três metros que estava escondido na antiga delegacia policial.

A Associação dos Lagarteiros da região negou qualquer participação do seu grupo na captura do animal.

“Nos deparamos com a surpresa de que dentro da delegacia há um crocodilo que não sabemos quem capturou, negamos veementemente qualquer participação por parte de nossos lagarteiros, não temos nada a ver com este animal que apareceu aqui”, expressou Yamil ao Guana/Noticias, representante da Associação de Lagarteiros.

Os representantes da Associação pedem que os moradores respeitem as exigências das autoridades e os convidam a participar do folclore e tradição que fazem sem ter que capturar nenhum animal.

Tradição ou Vandalismo?

A Asociación para el Bienestar y Amparo de los Animales (ABAA) reprovou o ato e garantiu que esses são sim atos de vandalismo.

“Eles fazem isso para satisfazer seu ego, somente para demonstrar sua hombridade, capturar, transportar e prender o pobre animal, assim não se enaltece uma suposta tradição, isso se faz ao transmitir os valores ancestrais para as novas gerações para que se sintam orgulhosos de suas raízes, e não com atos de vandalismo”.

“Ortega de Bolsón será lembrado como o povo que a cada Sexta-Feira Santa é cúmplice da captura e maus-tratos desta linda espécie, esperar um ano para fazer esse ato de vandalismo. Tradição ou vandalismo? O que é isto? Julguem vocês”, denunciou Juan Carlos Peralta da ABAA.

Por Eric Corrales / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Teletica


Nota do Olhar Animal: Qualquer semelhança com a criminosa e doentia farra do boi não é mera coincidência. A defesa da tradição como valor absoluto e independente da ética, a realização no período da Páscoa, a glorificação da truculência e o incivilizado enaltecimento da violência como bem cultural são alguns aspectos que unem as práticas na Costa Rica e no litoral de Santa Catarina, no Brasil.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.