Aplicativo no Facebook permite denunciar tráfico de animais

Aplicativo no Facebook permite denunciar tráfico de animais

Chamada de ‘Extintômetro’, ferramenta permite que usuários conheçam as espécies em extinção e denunciem irregularidades.

TECNO 20141111122336463043e

Usuários do Facebook podem ajudar a Polícia Ambiental no combate aos crimes de tráfico de animais no Brasil. Lançado em outubro pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), o aplicativo Extintômetro alerta para o cenário de riscos da fauna brasileira e permite que os internautas saibam quais são os animais em extinção. A ferramenta surgiu como um complemento da Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais, iniciada em 2013 pelo CFMV e já tem 10 mil curtidas e 5 mil compartilhamentos na rede social.

Quem acessa a página encontra as instruções de como proceder caso encontre um animal selvagem em perigo. O aplicativo traz opções de visualização de quais são as espécies ameaçadas e classifica o risco desses animais serem extintos. Segundo o CFMV, as informações foram coletadas com o auxílio da Renctas, ONG internacional de combate ao tráfico de animais, e do ICMBio, que disponibiliza em seu portal as 627 espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção. Segundo a organização, o Brasil é um dos principais alvos dos traficantes por conta de sua rica biodiversidade, pois cerca de 10% das quase 1,5 milhão de espécies catalogadas no planeta estão em solo brasileiro.

Segundo o Relatório Planeta Vivo 2014, publicado no final de setembro pela WWF (World Wildlife Fund – rede mundial que trabalha pela conservação da natureza), somente a América Latina assistiu, nos últimos 40 anos, à extinção de 83% de suas populações de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis. O documento ainda revela que a extinção de espécies na América Latina tem sido mais rápida do que no restante do mundo, onde a média de desaparecimento da vida selvagem foi de 52% no mesmo período.

Fonte: Estado de Minas

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.