Após abaixo-assinado contra cachorro, vizinha surpreende com carta de apoio

Após abaixo-assinado contra cachorro, vizinha surpreende com carta de apoio
Isabele mostrou no Facebook a cartinha que recebeu da vizinha (Fotos: Reprodução / Facebook)

Um post da produtora Isabele Marinho está fazendo muita gente refletir sobre a intolerância, ou melhor, sobre a tolerância. A jovem, que acaba de adotar uma cadelinha de três meses, está enfrentando um abaixo-assinado de condôminos incomodados com o choro do animal: eles querem que Prada seja “devolvida”.

Mas Isabele ficou mexida mesmo foi com uma demonstração de empatia para lá de fofa que recebeu de Fernanda, uma moradora que ofereceu não só sua compreensão, como também a sua casa, para facilitar a fase de adaptação da pequena Prada. “Uma alternativa que encontrei é oferecer a minha casa para que ela fique nos dias em que você for passar muito tempo fora”, escreveu Fernanda.

Esta é a carta de Fernanda, uma vizinha fofa que conseguiu entender a situação: Prada é filhote e acaba de chegar à casa nova

Isabele contou, no Facebook, que vizinhos pedem, no documento, que ela e a família se desfaçam do animal, adotado há menos de um mês. Mas, em vez de se queixar da impaciência, a jovem resolveu se concentrar na demonstração de apoio que recebeu, em forma de carta. “Não to aqui pra falar da maldade das pessoas, e sim do porquê de eu sempre preferir acreditar nas melhores intenções de cada um. É por culpa das Fernandas da vida que eu não desisto”, escreveu.

O documento, escrito à mão, já tem mais de quatro mil compartilhamentos no Facebook, mais de dois mil comentários e 27 mil curtidas. Além de muitas mensagens de suporte, Isabele recebeu conselhos de pessoas que passaram por situações parecidas. “Deixa um rádio ou TV ligado se voltar tarde depois que escurecer também não esquece de deixar uma luz para ela . E tenha certeza de que vai se acostumar”, publicou Patrícia Nunes.

Veja como é fofa a carta de Fernanda:

Fonte: O Globo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.