Após campanha na web, cão recebe doação de sangue de pit bull em MT

Após campanha na web, cão recebe doação de sangue de pit bull em MT

Animal precisou de doação de sangue após contrair a doença do carrapato. Após transfusão, Sherry passa bem e já recebeu alta do hospital.

MT img 20150525 wa0016

Após fazer uma mobilização na rede social, a servidora pública Rejane Leite Gonçalves conseguiu um doador de sangue para a cadela dela. ‘Sherry’ contraiu a doença do carrapato. O doador foi um pit bull, de 28 quilos. A transfusão ocorreu na última sexta-feira (22), no hospital veterinário da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá.

Sherry, como é chamada, ficou sete dias internada. Ela recebeu alta nesta segunda-feira (25) e já está em casa. “Ela está bem mais feliz. Já corre e brinca por todo o lado”, disse Rejane.

Ainda de acordo com a servidora, o animal deve retornar ao hospital em 20 dias para refazer os exames e saber como o novo sangue reage no organismo. Durante esse período, Sherry também irá tomar medicamentos para prevenir o reaparecimento da doença do carrapato.

Para tentar salvar a vida da cachorra, Rejane iniciou na última quarta-feira a campanha nas redes sociais em busca de um animal que pudesse doar sangue para Sherry, que corria risco de morte.

Em menos de 24 horas de mobilização, o tutor do pit bull entrou em contato com ela demonstrando interesse em fazer a doação. ‘Spike’, o pit bull, tem quatro anos de idade.

A doença do carrapato é transmitida pelo carrapato marrom. Ele se aloja no corpo do cachorro e se alimenta de sangue. Com o tempo, o número do plaquetas diminui e o animal fica debilitado.

Para doar sangue, o cachorro precisa ter mais de um ano de idade e pesar acima de 25 kg. Antes de realizar a transfusão, o animal passou por exame para saber se não tinha nenhuma doença que pudesse prejudicar o cão que receberia o sangue. A doação é gratuita.

Entre os critérios para a doação está a necessidade que o doador seja vacinado contra doenças, como raiva, por exemplo. O doador também não ter histórico de doença grave e não ter recebido sangue em transfusão.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.