Após captura, macaco bugio será solto em área de Mata Atlântica no RJ

Após captura, macaco bugio será solto em área de Mata Atlântica no RJ
Macaco macho da raça bugio será solto em área de Mata Atlântica (Foto: Fernando Moraes / Inter TV)

Será solto em uma área de amortecimento de Mata Atlântica em São Julião, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, o macaco macho da raça bugio capturado neste domingo (8) em Cordeiro, na Região Serrana (veja o vídeo abaixo). O animal foi levado para o Parque Estadual do Desengano, em Santa Maria Madalena, e a soltura acontecerá nesta segunda-feira (9). O macaco é suspeito de ter atacado cinco pessoas desde o mês passado, entre elas, duas crianças.

A captura do macaco contou com a mobilização de militares dos bombeiros, da polícia ambiental, de veterinários e biólogos do Zoológico do Rio e do Centro de Primatologia. Segundo Carlos Dário, chefe do parque, o grande desafio foi conseguir capturar o animal sem feri-lo. O dardo tranquilizante foi lançado por um veterinário e não podia atingir o tórax ou a cabeça. Após a captura, o animal foi examinado por veterinários e está bem de saúde.

Carlos também lembrou que o restante da família de bugios não será capturada, pois não apresenta risco para os moradores e ataques eram feitos apenas pelo macho. Ele explicou que o animal até poderia ser solto em uma área do Parque Estadual do Desengano, em Madalena, mas que o local recebe muitos visitantes e excursões escolares, e poderiam ocorrer novos ataques.

Macaco macho da raça 'bugio' (Fotos: Reprodução / Inter TV)
Macaco macho da raça ‘bugio’ (Fotos:
Reprodução / Inter TV)

Relembre o caso

O macaco da espécie bugio estava amedrontando os moradores de Cordeiro. Só no mês de dezembro, quatro pessoas foram atacadas pelo animal no bairro Posto Zootécnico. O caso mais grave foi com uma menina de 5 anos. Ela foi atacada e teve ferimentos em uma das mãos e na cabeça. Ela e outra criança estão entre as vítimas que ficaram feridas e foram levadas para o hospital.

O medo aumenta porque o macaco não ficava somente na mata. Ele entrava nos quintais das casas e acabava atacando ao se sentirem ameaçados.

Criança de 5 anos foi atacada na mão e na cabeça
Criança de 5 anos foi atacada na mão e na cabeça

“Só deu tempo de pegar a vassoura e expulsar ele e pegar ela no colo e levar lá pra frente, onde estava minha irmã e o outro tio dela. Corremos com ela para o hospital”, disse Janaína de Jesus, que conseguiu ajudar a sobrinha de cinco anos.

A costureira Rosemary Antônio foi a última vítima do ataque do macaco no dia 3 deste mês. Ela conta como escapou por pouco de ferimentos graves.

A minha irmã tinha visto ele na árvore. Quando a gente estava se aproximando pra ir embora, ele desceu da árvore, atravessou e se armou. A minha irmã e a minha sobrinha correram. Quando eu vi ele estava grudado nas minhas costas. Aí eu peguei a bolsa e mandei em cima dele”, contou.

Segundo Rosemary, o macaco é muito rápido. “Ele abaixa, se arma, se arrepia e parte. Na hora, eu só chorei, suava, não consegui dormir a noite toda”, relembrou.

Fonte: G1


Nota do Olhar Animal: Humanos invadiram seu habitat e situações como esta se repetem cada dia com mais frequência. É preciso educar a população sobre como proceder e treinar equipes para os resgates.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.