Após denúncias de maus-tratos contra animais, quatro estabelecimentos são notificados em Maceió, AL

Após denúncias de maus-tratos contra animais, quatro estabelecimentos são notificados em Maceió, AL
Aves e cabras estavam em condições de maus-tratos. Foto: Victor Vercant/Secom Maceió

Quatro estabelecimentos foram notificados após uma série de denúncias de maus-tratos no Mercado da Produção, no bairro da Levada. A ação foi realizada na manhã desta quinta-feira (01) por técnicos da Visa Maceió, da Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária, além de guardas municipais.

A Visa notificou os ambulantes que mantinham há anos caprinos e aves em condições degradantes de higiene e sob maus-tratos. Os fiscais estipularam um prazo de 72 horas para que os responsáveis retirem os animais do local, sob pena de o caso ser encaminhado às autoridades policiais. 

De acordo com a fiscalização, os animais são mantidos em um espaço totalmente insalubre. Todos estavam sobre a cisterna que abastece o mercado, em um local com grande fluxo de público, próximo às barracas de hortifrutigranjeiros, bares e restaurantes.

O coordenador-geral da Vigilância Sanitária de Maceió, José Airton dos Santos, contou que as cabras e as aves são mantidas em condições de maus-tratos e que apresentam risco sanitário. Ele diz que os relatos são inúmeros de que boa parte dos bichos morre de fome e de sede. 

“Notificamos estes ambulantes para que eles retirem os animais e transfiram para um local salubre. O risco de contaminação do ambiente com as fezes e a urina é enorme com estes bichos mantidos nas condições atuais. A nossa intenção é trabalhar em conjunto com todos os comerciantes, mas precisamos notificar quando há risco à saúde pública”, detalhou Airton dos Santos.

A Semtabes irá se reunir com os comerciantes e discutir a situação, para definir uma área adequada em que essas pessoas continuem trabalhando, mas seguindo as normas sanitárias.

Fonte: Cada Minuto (com Assessoria)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.