Após passar por reabilitação, albatroz é solto em alto-mar em Florianópolis

Após passar por reabilitação, albatroz é solto em alto-mar em Florianópolis

Um albatroz-de-nariz-amarelo foi solto em alto-mar, perto da Barra da Lagoa, em Florianópolis, após ter passado por reabilitação. A espécie é ameaçada de extinção, informou a responsável pelo tratamento da ave, a Associação R3 Animal, por meio Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS).

VÍDEO: Após passar por reabilitação, albatroz solto em alto-mar em Florianópolis

A soltura foi no último dia 14. O albatroz tinha sido resgatado no dia 27 de outubro na praia de Bombinhas, no Litoral Norte, após ter sido visto se debatendo nas ondas e sem conseguir levantar voo. O resgate foi feito por uma equipe do PMP-BS na Universidade do Vale do Itajaí (Univali).

A ave estava com muitos carrapatos ao redor do olho, piolhos e inflamação nos membros. Inicialmente, foi levada à Unidade de Estabilização do PMP-BS em Penha. Depois, no dia 6 de novembro, transferida para a R3 Animal, no Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM), na capital.

O animal foi medicado, passou por exames e fez reabilitação, incluindo fisioterapia e impermeabilização das penas, até ficar em condições de ser devolvido à natureza.

O albatroz-de-nariz-amarelo é uma ave oceânica migratória. — Foto: Divulgação/R3 Animal

Ave migratória
 
O albatroz-de-nariz-amarelo é uma das espécies de albatrozes que ocorrem na costa brasileira, e está ameaçado de extinção, informou a R3 Animal. São aves oceânicas migratórias, monogâmicas e colocam apenas um ovo por temporada de reprodução. Dependendo da espécie, isso pode ocorrer entre uma ou duas vezes ao ano.

Esses animais, que se alimentam de lulas, sardinhas e krills (animais invertebrados da família dos camarões), têm envergadura que pode atingir cerca de dois metros e podem voar até 800 quilômetros em um único dia, atingindo quase 130 km/h, disse a R3 Animal.

A orientação caso seja encontrado um mamífero, tartaruga ou ave marinha morta ou debilitada é ligar para o telefone 0800 642 3341.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.