Após ser espancada, cachorra é resgatada em Florianópolis, SC

Após ser espancada, cachorra é resgatada em Florianópolis, SC
Vídeo mostra cachorra Lua recebendo socos e sendo jogada contra capô de carro. – Foto: Chaiana Muller/PMF

Após ser espancada, uma cachorra vítima de maus-tratos foi resgatada nesta terça-feira (5) pelas equipes da Dibea (Diretoria de Bem Estar Animal da Prefeitura de Florianópolis) em uma casa no bairro Rio Vermelho, no Norte da Ilha de Santa Catarina.

De acordo com o órgão, o resgate foi feito após a divulgação de um vídeo como denúncia anônima mostrar a cadela, de nome Lua, sendo agredida por um homem. As imagens mostram, ainda, que ele jogou o animal contra o capô de um carro.

 Além de Lua, havia na casa outra cachorra, de nome Belinha, que também foi resgatada. Agora as duas serão cuidadas pelo órgão até que possam receber um novo lar.

A equipe da Dibea foi até o local, juntamente com a Polícia Militar, e o homem foi levado para delegacia para prestar esclarecimentos. Não foi informado se ele era o tutor das cachorras.

Quando questionado, o homem relatou que estava “apenas disciplinando a cachorra e dando socos em cima do capô do carro, e não no animal”.

A cachorra Lua (preta) sofreu agressões do dono. A Belinha, cachorrinha marrom, também foi resgatada. – Foto: Chaiana Muller/PMF

Como denunciar maus-tratos a animais

Quem quiser denunciar qualquer tipo de maltrato a animais domésticos em Florianópolis deve acessar a delegacia virtual e realizar um boletim de ocorrência. Após fazer a denúncia, deve enviar o Boletim de Ocorrência para o e-mail: [email protected]

O que pode caracterizar maus-tratos a animais?

  • Abandonar, espancar, golpear, mutilar e envenenar;
  • Manter preso permanentemente em correntes;
  • Manter em locais pequenos e anti-higiênicos;
  • Não abrigar do sol, da chuva e do frio;
  • Deixar sem ventilação ou luz solar;
  • Não dar água e comida diariamente;
  • Negar assistência veterinária ao animal doente ou ferido;
  • Obrigar a trabalho excessivo ou superior a sua força;
  • Capturar animais silvestres;
  • Utilizar animal em shows que possam lhe causar pânico ou estresse;
  • Promover violência como rinhas de galo e farra-do-boi.

Fonte: ND Mais

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.