Aquário nasceu sem pensar na ‘vida’ dos peixes e custou o dobro de obra do RJ

Aquário nasceu sem pensar na ‘vida’ dos peixes e custou o dobro de obra do RJ
Guindaste foi usado em fevereiro para troca de vidros da cúpula do Aquário do Pantanal. (Foto: Henrique Kawaminami) - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Perícia no Aquário do Pantanal, mostra que o empreendimento nasceu superlativo em nome – Centro de Pesquisa e de Reabilitação da Ictiofauna Pantaneira – e valores, mas não previa nem um suporte à vida dos peixes que seriam a principal atração. O documento anexado a processo também mostra que o Aquário já custou o dobro do Aqua-Rio, que abriu as portas desde 2016 no Rio de Janeiro.

O contrato inicial do Aquário do Pantanal, sonhado para ser o maior de água doce no mundo, era de R$ 84.749.754,33 e previa somente serviço de filtragem, ao custo de R$8.649.685,59. Posteriormente, o custo desse quesito subiu para R$ 11 milhões. A licitação global da obra foi vencida pela Egelte Engenharia.

“Conforme o edital de concorrência inicial, para a execução do prédio do Aquário do Pantanal, não houve descrição exata da parte correspondente do Sistema de Suporte à Vida”, informa o documento.

Três anos depois do contrato original da obra, foi feita a contratação da Fluídra Brasil por R$ 25 milhões para execução dos seguintes serviços: sistema de filtragem (R$ 19 milhões), iluminação (R$ 5,5 milhões) e administração (R$ 462 mil).

Com aditivos, o contrato chegou a R$ 29,8 milhões e passou a incluir a cenografia dos tanques. No cenário que representa a África, por exemplo, há até um elefante branco, conhecido no Brasil como menção de obra que nunca tem fim.

Elefante branco no tanque com cenografia para ilustrar a África. (Foto: Reprodução)

O lançamento do Aquário  foi  em 23 de maio de 2011, na gestão de André Puccinelli (MDB),  e o centro deveria ser entregue em 11 de outubro de 2013, aniversário de criação de Mato Grosso do Sul.

“Conforme o explanado, na licitação inicial para a construção do prédio do Aquário, o foco estava na parte física, e que, no decorrer da construção e a partir da contratação de empresa de assessoria, com as cotações de empresas de filtros e afins, após as solicitações de retiradas de recursos da primeira planilha orçamentaria, percebeu-se uma necessidade de adequação, gerando nova concepção e consequente contratação de outra empresa, que, por sua vez, também passou por situações de adequação de projeto”, diz a perícia, sobre a necessidade do suporte à vida.

O estudo da VCP (Vinícius Coutinho Consultoria e Perícia), feito a pedido dos réus, foi realizado em 25 de setembro do ano passado e constatou a execução de 93% dos serviços contratados com a Fluídra.

Comparativo – O documento traz um quadro comparativo entre custos do Aquário do Pantanal, o Aqua-Rio (Rio de Janeiro), da Bacia do Rio São Francisco (Minas Gerais), Aquário Cataratas (Paraná), Ubatuba (São Paulo) e Georgia Aquarium (Estados Unidos).

Dos seis, quatro estão em atividade, enquanto o Aquário do Pantanal está em obras e o Cataratas, em fase de projeto. O valor do empreendimento em Campo Grande foi calculado em R$ 200 milhões, apesar de se corrente que o custo mínimo, chega a R$ 230 milhões.

Perícia traz quadro comparativo entre custos de seis aquários. (Foto: Reprodução)

O Aqua-Rio teve custo de R$ 100 milhões, com maior área construída, mas com menor volume de água. O custo do metro quadrado do Aquário do Pantanal é de R$ 9.523,81, enquanto o do Rio de Janeiro foi de R$ 3.846,15.  A tabela também traz a comparação por metro cúbico de água, sendo R$ 32.258 no projeto de MS e R$ 22.222 no Aqua-Rio.

Processo – A ação de dano ao erário, que tramita na 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, tem valor de R$ 140 milhões. Ao todo, são oito réus, incluindo o ex-secretário de Obras, Edson Giroto e a Fluidra Brasil Indústria e Comércio Ltda.

Por Aline dos Santos

Fonte: Campo Grande News


Nota do Olhar Animal: Esta aberração já nasceu com a marca dos maus-tratos e da morte, Milhares de peixes pereceram por conta da negligência dos gestores do empreendimento. É alvo de investigação pelo custo absurdo da obra. Que o anacrônico e imoral aquário seja transformado em algo que não cause danos aos animais.

Morte de peixes em Aquário do Pantanal continua sem culpados

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.