Argentina: salvam cachorra que estava dentro de lata de lixo tampada

Argentina: salvam cachorra que estava dentro de lata de lixo tampada
Um policial, no funda da casa onde se pode ver a lata de lixo onde estava a cachorrinha

Uma cachorrinha mestiça de cerca de cinco anos passou vários dias confinada em uma lata de lixo de metal de 200 litros tampada com uma madeira e presa por três enormes pedras. Ela suportou altas temperaturas sem água nem comida, e a suspeita da violência chegou aos ouvidos dos vizinhos do bairro de San Jorge, do município El Carril, quando estes escutaram o choro do animal na casa de sua dona.

Vários vizinhos disseram ter ouvido sons durante a noite, sem ter certeza do que se tratava. Até que uma vizinha fotografou a lata de lixo que parecia vazia, mas que se mexia de vez em quando, e desde seu interior se escutava choros como se fosse de uma criança.

Algumas vizinhas foram ao programa de TV “Nuestra Gente” e lá expressaram sua preocupação e pediram ao jornalista Rubén Sánchez que fosse com uma câmara em mãos ao local do suspeito caso de violência animal. “Quando chegamos, vimos que a lata de lixo estava tampada e com pedras em cima. Grande foi nossa surpresa quando começamos a ouvir os gemidos da cachorrinha. Fomos até a polícia avisar, mas eles nos disseram que somente podiam agir com uma denúncia”, relatou Sánchez.

Os vizinhos insistiram em bater palmas para que a proprietária do imóvel aparecesse. Perante a negativa, eles foram até a 19ª Delegacia onde realizaram a denúncia.

Uma patrulha chegou ao local da rua El Algarrobal de San Jorge e como ninguém respondeu, os policiais com alguns vizinhos entraram no fundo da casa. Lá viram a lata de lixo e quando chegaram perto a cachorra começou a latir. Um dos policiais tirou as pedras e a tampa de madeira e no interior da lata surgiu a cachorrinha, que estava desidratada e desnutrida. De acordo com o veterinário, ela irá se recuperar.

Sua “tutora” foi denunciada por maus-tratos.

Por Jaime Barrera / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: El Tribuno

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.