Artistas paraenses fotografam com cães e gatos para calendário em Belém, PA

Artistas paraenses fotografam com cães e gatos para calendário em Belém, PA
Féliz Robatto, Pinduca e Lia Sophia fazem parte do time de artistas amigos dos pets. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)

Doze artistas paraenses participaram de um ensaio fotográfico divertido e inusitado com cães e gatos do projeto Peludinhos da UFPA (Universidade Federal do Pará). A ideia é transformar as fotos em um calendário, que será vendido para custear ração e tratamento médico para os cerca de 200 animais que vivem no campus da instituição, em Belém.

Os artistas aceitaram participar de graça do projeto. Cada mês do calendário trará a foto de um artista com um animal, além da história dos bichinhos.

“O calendário tem como finalidade divulgar o projeto, que é executado dentro do campus da Universidade Federal do Pará. Chamar os artistas da terra, que são pessoas que têm todo carinho da população, para que se aliem à causa de proteção dos animais é muito positivo. Utilizamos isso também como forma de coibir os maus-tratos que vêm acontecendo mostrando os bons exemplos de um artista, um ícone, se atrelar a um animal dentro de uma campanha de sensibilização”, explica Elizabete Pires, uma das coordenadoras do Peludinhos.

Cantora Juliana Sinimbu fez amizade com o gatinho que fotografou. (Foto: Alexandre Yuri/ G1)
Cantora Juliana Sinimbu fez amizade com o gatinho que fotografou. (Foto: Alexandre Yuri/ G1)

O calendário exibirá fotos dos cantores Lia Sophia, Pinduca, Wanderley Andrade, Gina Lobrista, Félix Robatto, Sammliz, Joelma Klaudia, Jeff Moraes, Juliana Sinimbu, Viviane Batidão, Maderito e do artista plástico Sebá Tapajós. Todos adoraram iniciativa e aceitaram de primeira fazer as fotos com os animais do projeto.

Foram escolhidos cães e gatos filhotes, idosos ou com alguma deficiência física, que precisam de ajuda ou adoção e também alguns cachorros que já foram adotados e atualmente são a felicidade de seus donos.

Cachorra Cida vive no abrigo e tem sequelas de Cinomose. Ela se divertiu durante a sessão de fotos. (Foto: Alexandre Yuri/ G1)
Cachorra Cida vive no abrigo e tem sequelas de Cinomose. Ela se divertiu durante a sessão de fotos. (Foto: Alexandre Yuri/ G1)

Muitos cantores se identificaram com os animais que fotografaram, como o músico Félix Robatto, que fez parceria com um dos cães mais conhecidos da universidade, o Fred, que teve a pata quebrada após ser atropelado. Apesar do problema, o cãozinho percorre todo o campus e tem muitos simpatizantes pelo jeito alegre de viver.

“Tive por muitos anos a companhia do ‘Amigo’, um cachorro que por ser tão fiel se chamava Amigo. Atualmente, adotamos cachorrinha que foi atropelada. Fiquei comovido com o caso dela nas redes sociais. A Pitelzinha, minha filha Maria Helena, de 3 anos, adorou a ideia e não via a hora de ter um animalzinho de estimação”, conta o músico, que brincou com Fred durante o ensaio, colocando a sua marca, a barba, na cabeça do novo amigo de quatro patas.

Félix e Fred fizeram várias poses poara a fotógrafa. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)
Félix e Fred fizeram várias poses para a fotógrafa. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)

As sessões foram divertidas, com cães e gatos à vontade pelo estúdio, cedido pelo fotógrafo Fábio Pina. Os voluntários Yasmin Pires e Alexandre Nascimento fizeram o registro e ressaltaram a proximidade entre os animais e os artistas.

“Foi divertido! O que e achei mais legal foi o fato da proximidade gerada entre o artista fotografado e o animalzinho. Teve um momento de conquista antes de fazer as fotos. Envolvimento, carinho, brincadeira”, conta Yasmin, que é publicitária, cineasta e voluntária do projeto.

Viviane Batidão posou com a cadelinha Josefine, que foi adotada há três meses. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)
Viviane Batidão posou com a cadelinha Josefine, que foi adotada há três meses. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)

Calendário

Quem comprar o calendário poderá conhecer as histórias de vida, superação e sobrevivência dos animais fotografados com os artistas.

“A cadela Jéssica, que faz par com o Pinduca, foi encontrada no lixo, estava sendo comida pelos urubus. Cuidamos dela, mas ainda novinha contraiu a cinomose, uma doença que deixa sequelas graves e que fez com que ela ficasse com as patas dianteiras paralisadas. A Jéssica é amorosa, carinhosa, faz as traquinagens dela e está disponível para adoção”, afirma Elizabete Pires.

O lançamento do primeiro Calendário dos Peludinhos será no dia 15 de dezembro, em um evento que contará com a participação das estrelas da campanha.

Sammliz fez par com a gatinha trovoada, que é cega. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)
Sammliz fez par com a gatinha trovoada, que é cega. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)

Projeto Peludinhos da UFPA

A iniciativa de cuidar dos cachorros e gatos abandonados na instituição partiu da servidora pública Suely Palheta há quase 20 anos. O projeto começou com cerca de 40 cachorros e, atualmente, atende aproximadamente 200 animais.

No início, devido à ausência de recursos financeiros, não era possível fazer castração ou comprar medicamentos, mas o número de cachorros e gatos abandonados na instituição foi aumentando, surgindo também a necessidade de haver um espaço próprio para cuidar dos filhotes, doentes, idosos e deficientes.

Com o dinheiro próprio, os voluntários fizeram um abrigo improvisado, com uma pequena área coberta que recebe os animais nessas condições e que não podem viver soltos. O projeto enfrenta dificuldades financeiras diante da demanda e sobretudo da falta de conscientização de quem abandona, maltrata, envenena e até atropela os animais que circulam no campus. Recentemente, a administração da Universidade passou a apoiar o projeto.

Ídolo do brega, o cantor Walderley Andrade fez foto com a Cida. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)
Ídolo do brega, o cantor Walderley Andrade fez foto com a Cida. (Foto: Yasmin Pires/ Divulgação)

Por Thais Rezende e Luana Laboissiere

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.