Aspaa alerta que crescimento no número de animais de rua em Patos de Minas (MG) pode ficar incontrolável

Aspaa alerta que crescimento no número de animais de rua em Patos de Minas (MG) pode ficar incontrolável
Aspaa alerta que crescimento no número de animais de rua pode ficar incontrolável (Foto: Daniel Soares)

Após mais de um ano de espera para inauguração do Canil/Gatil, a estrutura pública continua sem utilização. Meses se passaram desde então, mas até agora a prefeitura não conseguiu dar início aos trabalhos. A justificativa da administração municipal para a demora, é de que uma licitação precisa ser realizada para a aquisição dos equipamentos.

Foi uma luta para conseguir a construção de um local adequado para abrigar cães e gatos, que vem sendo abandonados nas ruas de Patos de Minas, MG. Mas segundo a presidente da Aspaa Bethania Nunes, a estrutura já pronta na Escola Agrícola, não atende as necessidades atuais. Para ela, o Canil/Gatil não comporta um quinto dos animais que estão soltos na cidade. As poucas baias construídas serviriam para abrigar os que estão prontos para a adoção, porém, ela questiona onde seriam colocados os bichos que precisam passar por triagem, ou os doentes que necessitam de quarentena.

Bethania alerta ainda, que se uma medida não for urgentemente tomada em relação ao crescimento desordenado de cães e gatos com castração em massa, a situação vai ficar incontrolável. Algo que pode colocar em risco a segurança no trânsito, além do perigo de doenças. De acordo com a Aspaa são cerca de 5 mil animais morando nas ruas. E para piorar ainda mais a situação, a castração de cães no Centro de Zoonoses, também foi interrompida pela prefeitura.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que já iniciou o processo licitatório para aquisição dos equipamentos e, que, tão logo o Canil/Gatil entre em funcionamento as cirurgias de castração serão retomadas em parceria com o Hospital Veterinário do Centro Universitário de Patos de Minas (Unipam).

Por Edvar Santos

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.