Assassinato de cachorros gera comoção em Wenceslau Braz, PR

Assassinato de cachorros gera comoção em Wenceslau Braz, PR

Por Lucas Aleixo

PR envenenamento caesWENCESLAU-BRAZ

O assassinato de sete cachorros, sendo cinco de um mesmo dono, durante a madrugada da última sexta-feira (26) gerou comoção em Wenceslau Braz, especialmente na vila Formosa, bairro onde aconteceram os crimes contra os animais.

Os animais amanheceram agonizando ou já mortos, e os que não haviam morrido logo pela amanhã acabaram por perder a vida no decorrer do dia. Apesar de não ter tido um exame, tudo indica que os cachorros foram envenenados.

O pedreiro José Júlio de Araújo, 56 anos, era o tutor de cinco cachorros assassinados. “Dos meus só sobreviveu um, acho que ele não comeu o veneno. Mas isso é muito triste, não tem motivo de matar um animal que não faz mal para ninguém. Eram cachorros que não davam problemas”, afirma o pedreiro, visivelmente comovido com a situação.

Os animais mortos tinham entre um e dois anos, e haviam sido tirados das ruas por José Júlio. “Não consigo entender a maldade de alguém que faz isso, mas fazer o que, agora já foi”, lamenta.

Um vizinho ouvido pela reportagem ainda garantiu que os cachorros de José Júlio não incomodavam, e nunca saíam de casa. Além destes cinco animais, outros dois cães aparentemente sem tutores também foram encontrados mortos na mesma manhã.

Segundo Regina Maria Gonçalves, investigadora da Polícia Civil de Wenceslau Braz, qualquer tipo de maus-tratos contra animais é crime, porém neste caso em específico a investigação é complicada, já que ninguém viu quem poderia ter jogado veneno aos animais.

“Também tenho bichos e esse tipo de coisa é uma crueldade sem tamanho, que dói em qualquer um. Agora, o que a gente pode fazer é perguntar aos vizinhos se alguém viu alguma coisa, e torcer para que alguém tenha alguma pista, senão fica muito difícil encontrar uma solução. Em todo caso a gente sempre orienta para que as pessoas procurem a polícia quando houver maus-tratos contra animais”.

Fonte: Folha Extra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.