Associação animal denuncia jogo com porquinho-da-índia em Portugal

Associação animal denuncia jogo com porquinho-da-índia em Portugal

O “Jogo da Rata” é uma tradição da região do Vale do Sousa, ao gosto de miúdos e graúdos, que vem sendo recuperada num festival dedicado à gastronomia, teatro de rua e outras atividades culturais de cariz popular. Mas, para a “Porto Animal Save”, o jogo que tem num porquinho-da-índia a figura central é uma “exploração de outros animais” que merece a denúncia na GNR.

Vídeo: Associação animal denuncia jogo com porquinho-da-índia.

Já para a organização da “Festa do Caldo de Quintandona”, evento que decorreu no último fim de semana, em Lagares, Penafiel, as críticas da associação de defesa dos direitos dos animais não passam de “um fundamentalismo” de quem não percebe o conceito do jogo, nem tão pouco do próprio festival.

O “Jogo da Rata” tem como palco um círculo em madeira, onde é colocado, ao centro, um porquinho-da-índia. Ganha quem acertar no número do buraco, situado nas extremidades daquela espécie de tabuleiro, para o qual o animal, sem qualquer contacto dos jogadores, se dirige e entra.

Esta antiga brincadeira típica das zonas rurais tem vindo a ser recuperada na “Festa do Caldo de Quintandona”, certame que, ano após ano, atrai milhares de pessoas. E faz as maravilhas de quem ainda se lembra do “Jogo da Rata” nos primeiros anos de vida, mas também dos que só agora ficam a conhecer a tradição.

Porém, segundo os responsáveis da “Porto Animal Save”, trata-se apenas de “usar um animal assustado para nosso entretenimento”. “Será que isto é efetivamente necessário?”, questiona a associação que, nas redes sociais, pediu ajuda para “acabar com estas tradições medievais” e apelou à denúncia na GNR dos maus tratos ao porquinho-da-índia.

Denúncia que, confirmou fonte oficial, chegou à Guarda através de um e-mail, que motivou a realização de “diligências” para averiguar se estava a ser cometida alguma ilegalidade.

Ao JN, Rui Lobo, da organização da “Festa do Caldo de Quintandona”, refuta as acusações da “Porto Animal Save”. “Considero essa denúncia um fundamentalismo. Não maltratamos nenhum animal e só queremos reavivar tradições locais”, garante. Para sustentar esta posição, Rui Lobo revela que a edição deste ano da “Festa do Caldo de Quintandona” até foi palco de um peditório em prol de uma outra associação de defesa de animais, que contou com a autorização e o apoio da organização.

Por Roberto Bessa Moreira

Fonte: JN / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.