Astro, o peixe-boi que sobreviveu a 13 atropelamentos e agora está sob ameaça do petróleo no Nordeste

Astro, o peixe-boi que sobreviveu a 13 atropelamentos e agora está sob ameaça do petróleo no Nordeste

O Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho está em luta para evitar que o primeiro peixe-boi reintroduzido na natureza, em 1994, seja afetado pelas manchas de óleo que atingem o litoral do Nordeste. Até um plano para retirar Astro do seu habitat está pronto caso a situação se agrave.

O monitoramento diário é feito pelo projeto da Fundação Mamíferos Aquáticos. Astro tem um chip implantado e sua história é considerada importante nos esforços de conservação do peixe-boi marinho. O mamífero vive entre os litorais de Sergipe e Bahia, área que está entre as mais afetadas pelo vazamento.

O mamífero já lutava para sobreviver em meio aos atropelamentos de embarcações, às interações com turistas e, agora, enfrenta o óleo que afeta as praias nordestinas.

Desde o início do surgimento das manchas, especialistas mudaram a rotina para manter Astro longe do óleo. Para isso, o animal está sendo monitorado através de um equipamento de radiotelemetria, que faz o mapeamento da área de uso e facilita as buscas pelo animal.

O técnico ambiental do projeto Viva o Peixe-Boi, Allan Barreto, conta que, com a chegada das manchas, os esforços se intensificaram no intuito de preservar a vida do animal.

“Com o monitoramento acompanhamos o cenário e tudo o que está ocorrendo. Nós observamos se existe óleo no animal, nas áreas de alimentação e na região onde ele bebe água. Em campo também temos uma equipe que faz esse monitoramento.”

Allan explicou que o equipamento que fica acoplado no mamífero também é monitorado. “O equipamento fica mais tempo flutuando. Por isso aumenta a chance de ter contato com a substância (tóxica)”, comentou.

Astro está em risco?

O pesquisador João Carlos Gomes contou à BBC News Brasil que a aderência do óleo em regiões como boca, narinas e nas cavidades causa obstruções, e os animais morrem por não conseguirem respirar ou comer.

Ambientalistas estão monitorando o peixe-boi para evitar que suas vias respiratórias e boca sejam obstruídas pelo petróleo derramado na costa nordestina. – Foto: Acervo FMA

“Esse seria o risco mais imediato. Fora isso, a ingestão do material causa obstrução gastroentérica que pode inviabilizar o trânsito intestinal. (…) E não sabemos que tipo de alergias podem ser causadas com a interação do óleo”, diz Gomes.

O coordenador do projeto explica que Astro não foi atingido pelas manchas, mas o equipamento que está acoplado nele, sim. “Nos primeiros indícios das grandes manchas em Sergipe, nós identificamos óleo na antena do rádio transmissor, mas felizmente não teve impacto no animal.”

Os resíduos chegaram também à área de alimentação do animal. Por causa disso, já há um plano para deslocar Astro caso a situação se agrave.

“Uma equipe de brigadistas do ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) foi até o local para fazer a limpeza porque identificamos a presença (de óleo) nas áreas de alimentação dele, de alguma maneira isso traz um risco na ocasião que ele estivesse se alimentando, mas a limpeza já está sendo feita. A Petrobras também contratou uma equipe para somar esforços e fazer a descontaminação da área. Mas não há presença de óleo no animal”, enfatizou o coordenador.

Até o momento, segundo o técnico ambiental do projeto, não há necessidade de fazer a mudança de Astro agora, mas caso seja necessário, o mamífero já tem novo lugar, “uma piscina que fica às margens do rio Real, também na divisa entre Sergipe e Bahia”, disse Allan Barreto.

O ICMBIO informou que brigadistas também estão trabalhando na limpeza da área de alimentação de Astro.

História de Astro

Foi no Ceará, em 1991, que Astro encalhou ainda quando era filhote. Segundo João Carlos Gomes, o animal precisou ir para a reabilitação, onde ficou por três anos. “Em 1994, ele foi reintroduzido na praia de Paripueira, em Alagoas”, contou o pesquisador.

Barco acompanha Astro, que será removido se a situação se deteriorar.- Foto: Acervo FMA

O pesquisador lembra que, no passado, os peixes-boi foram caçados e houve uma redução da espécie. Ainda segundo ele, atualmente os animais vivem sob vários fatores de ameaças, que vão desde os atropelamentos com embarcações motorizadas até a perda do habitat.

“Isso fez com que os animais tivessem área de descontinuidade (da população). Alguns Estados têm alguma ocorrência, outros têm baixa ocorrência e outros, vazio populacional. Em função disso, em 1994 foi criado um programa de reintrodução com filhotes que foram encalhados e foram reabilitados”, ressaltou.

Astro migrou para o litoral de Sergipe e começou a reutilizar o local. “Ele está utilizando a área entre o rio Vaza-Barris, em Sergipe, até Mangue Seco, no litoral norte da Bahia”, disse Gomes.

O nome de Astro é simbólico em vários aspectos, principalmente por trazer uma interação com as pessoas. “Elas não conheciam os peixes-boi, e a partir da proximidade, ainda que peçamos às pessoas que não toquem ou não alimentem o animal, as pessoas visualizam o animal mais próximo e isso fez com que o peixe-boi em Sergipe passasse a ser conhecido mesmo sendo um dos mamíferos mais ameaçados no país”, disse o pesquisador.

A luta pela vida

Em 25 anos de vida, Astro já passou por muitos acidentes que quase o mataram. Ao todo, foram 13 atropelamentos por embarcações motorizadas desde 2001.

O animal passou a ser acompanhado pela equipe do Projeto Viva o Peixe-Boi Marinho, que prestou atendimento clínico e iniciou o tratamento das feridas.

Além dos atropelamentos, o peixe-boi também sofre com o impacto das interações dos turistas que visitam a região. Os turistas chegaram a oferecer alimentos e bebidas para o animal, comprometendo a saúde dele.

Por Raíssa França

Fonte: BBC Brasil 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.