Ativista tatuou 40.000 X’s na pele em protesto contra a crueldade animal

Ativista tatuou 40.000 X’s na pele em protesto contra a crueldade animal

O ativista vegano italiano Alfredo Meschi tatuou 40 mil X’s no seu corpo inteiro, simbolizando os outros tantos animais que são abatidos para alimento a cada segundo que passa.


Alfredo Meschi é um dos mais influentes ativistas veganos em Itália e decidiu usar o seu corpo como tela para chamar atenção mediática para a crueldade animal, um tema que lhe diz muito. As estatísticas são avassaladoras e falam por si: a cada segundo, 40 mil animais terrestres e marinhos são abatidos para alimento.

“Tentei captar pelo menos um segundo desse holocausto na minha pele”, disse Meschi, que tatuou 40.000 X’s pretos na sua pele, em 2016. O processo de tatuar o seu corpo inteiro demorou dois meses, escreve o OZY.

Porquê usar X’s? Meschi explica: “Escolhi o símbolo X porque é o sinal que usamos nas nossas listas de tarefas, quando terminamos de fazer algo, contar ou matar algo”.

Para além da sua tatuagem que o cobre de cabeça aos pés, Meschi usa ainda um anzol e uma etiqueta de gado nas suas orelhas, para simbolizar os animais marinhos e terrestres.

Curiosamente, Alfredo Meschi era caçador e pescador amador até há cinco anos, quando adotou uma dieta vegana e parou de usar produtos de origem animal. O ativista transalpino promove o antiespecismo, uma filosofia que denuncia a hierarquia que classifica os seres humanos acima de outras espécies.

Aliás, Meschi gosta de ser chamado ‘artivista’, uma pessoa que usa a arte para confrontar injustiças. “Quero fazer uma conexão pele-a-pele, para que minha pele provoque arrepios na pele da outra pessoa”, explicou.

Ainda que numa escala bem menor, 220 outras pessoas seguiram o exemplo e tatuaram X’s no seu corpo e foram fotografadas pelo artista italiano Massimo Giovannini num projeto intitulado “In the blink of an eye” [Num piscar de olhos]. 

Fonte: ZAP / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.