Ativistas chineses resgatam filhotes de cães que seriam vendidos no Festival de Yulin

Ativistas chineses resgatam filhotes de cães que seriam vendidos no Festival de Yulin

Apesar de cães e gatos não fazerem mais parte da lista de animais comestíveis da China, ativistas encontraram filhotes de cães prestes a serem abatidos em um mercado próximo à Yulin.

De acordo com informações do HSI (Humane Society International), os ativistas encontraram e resgataram dez filhotes de cães que seriam vendidos no festival de carnes.

Os filhotes estavam em um mercado fora de Yulin, em uma região chamada Nanchao, mas tudo indica que suas carnes seriam vendidas no festival que acontecerá no próximo dia 21 de junho.

Os ativistas enviaram um relatório à HSI denunciando os tais comerciantes, levando a crer que eles foram para essa outra região para não serem monitorados, uma vez que o mercado de Yulin agora está sendo gerenciado.

No mês passado, o Ministério da Agricultura declarou que cães e gatos não fazem mais parte da lista de animais comestíveis. No entanto, muitos comerciantes simplesmente ignoram o fato de que os animais não devem ser comidos e sim ser nossos amigos.

Segundo informou Dr. Peter Li, especialista em políticas da HSI, esses comerciantes alegaram que precisavam compensar a falta de vendas de janeiro a março, causada pelo coronavírus… Oras! Mas se a contaminação supostamente aconteceu pelo consumo de carne, por que haveriam as pessoas de continuarem consumindo carne de cachorro?

“Espero que a Yulin mude não apenas pelo bem dos animais, mas também pela saúde e segurança de seu povo. Com os novos casos de Covid-19 vinculados ao mercado de Pequim, permitir o consumo de carne de cachorro em mercados e restaurantes lotados em nome de um festival representa um risco à significativo à saúde pública”, alertou Dr. Peter Li.

Os ativistas encontraram em Nanshao gaiolas de filhotes de cães vivos, os quais seriam abatidos e vendidos ali mesmo. Uma das ativistas, Jenifer Chen fez uma declaração comovente sobre o resgate:

“Eu não podia acreditar que esses filhotes amigáveis e inocentes seriam mortos para virar comida […] Minhas mãos tremiam quando tirei o primeiro filhote da gaiola. Ele continuou lambendo a minha mão, sem saber que eu poderia facilmente ter comido carne de cachorro…”

Jenifer disse ainda que os filhotes estavam presos no sol escaldante e que ficou feliz por conseguir salvá-los.

Muitas pessoas ainda acham “normal” esse consumo de carne de cachorro na China, mas a maioria dos chineses (64%) não praticam essa crueldade. Foi por essa maioria que o governo chinês declarou que cães e gatos não são comestíveis, mas sim nossos amigos e isso deveria valer para os demais animais.

Por Eliane A Oliveira

Fonte: GreenMe

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.