Ativistas confrontam na Justiça acusado de criar filhotes de cães na Austrália

Ativistas confrontam na Justiça acusado de criar filhotes de cães na Austrália

Por Rania Spooner / Tradução de Rie Kawasaki

AUSTRALIA 14223363319201

Defensores dos direitos animais agitam, em frente ao prédio da Justiça, no subúrbio de Wyndham, oeste da Austrália, imagens fortes de cães engaiolados e seus filhotes recém-nascidos.

A enfermeira veterinária, Kat Butterworth, segura uma imagem de um pastor-alemão fêmea amamentando seus filhotes na suposta fazenda de criação ilegal de cães, no sudoeste de Melbourne.

A enfermeira foi chamada ao complexo de Little River – supostamente administrado por Anthony Sammut, 75 anos, por Debra Tranter – fundadora do grupo de defesa animal Oscar’s Law, que encontrou a cachorra durante uma incursão em 11 de maio de 2014. A cadela foi encontrada engaiolada e solitária, sentada em sujeira, com temperatura corporal de quase dois graus naquela noite, afirma Tranter.

AUSTRALIA 1422336331920

Aproximadamente cinco semanas depois, Cherry, como agora é chamada, foi entregue ao conselho local com outros cinco cães. Cherry finalmente passou para a tutela da rede de cuidados da Melbourne Animal Rescue (Resgate de Animais de Melbourne), de Butterworth, e aguarda ser adotada por uma família.

Ela foi submetida a quatro cirurgias em seus ouvidos, dentre outros procedimentos médicos. “Ela está linda agora”, disse Butterworth, com um grande sorriso no rosto, enquanto falava em frente ao Forum de Werribee, ao lado de outros membros da Oscar’s Law. “(Mas) Ela tinha inúmeros problemas de saúde quando a pegamos”.

Cherry também tem displasia de quadril, um problema que deve ter sido transmitido para a sua incontável ninhada de filhotes, que foram parar em residências sem que ninguém suspeitasse.

Cinco semanas após a denúncia, quando as autoridades foram investigar o complexo, aproximadamente 40 cães, que os ativistas acusaram estarem ali presentes, haviam desaparecido, dentre eles a ninhada de filhotes de Cherry.

Sammut foi acusado de cometer catorze delitos após a visita das autoridades à propriedade Old Melbourne Road, em 14 de outubro de 2014. Ele já peticionou as suas defesas para as acusações, que incluem falta de fornecimento de quantidade suficiente de água, comida e cuidados veterinários aos cães, bem como de administrar comércio ilegal de animais domésticos. Na semana passada, o caso foi suspenso para dar ao seu advogado mais tempo de negociar com a cidade de Wyndham, que está processando o caso. “Há sérias acusações com significativo interesse público”, disse o advogado de Sammut à Justiça.

Em frente ao prédio da Justiça, Basil Stafford, em nome do Conselho da cidade de Wyndham, disse que é importante que o bem estar animal seja encarado com seriedade. “Que os direitos dos animais sejam respeitados e que eles não sofram mais, Nós somos seus guardiões”.

Tranter acredita que existam ao menos 200 fazendas de criação de filhotes funcionando em Victoria, onde cães são tratados como “máquinas de reprodução”.

Sammut enfrentará a Justiça novamente no dia 02 de março.

Fonte: The Age

Nota do Olhar Animal: A questão não é saber se a criação de animais para serem comercializados é legal ou ilegal. O problema principal é tratar animais como objetos comercializáveis. É correto? A senciência deles indica que não.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.