Ativistas de direitos dos animais encharcados com água depois de fazerem um protesto em uma fazenda de porcos

Ativistas de direitos dos animais encharcados com água depois de fazerem um protesto em uma fazenda de porcos

Este é o momento em que os ativistas dos direitos dos animais foram molhados com um jato de água quando protestavam na fazenda Chester farm.

Membros do grupo Meat the Victims invadiram a Holme Farm, em Chester, às 4:00 da manhã do dia 26 de outubro, para realizar um protesto.

Manifestantes afirmam que a fazenda, de propriedade de J.H Willis & Son, tratava seus porcos sem humanidade.

Durante o “protesto pacífico”, o grupo disse que trabalhadores da fazenda jogaram água nos manifestantes.

Um porta-voz do Meat the Victims disse: “Apesar de os animais terem acesso limitado para o exterior da Holme Farm, os porcos que vivem aqui passarão a maior parte das suas vidas trancados, dentro de galpões sujos, estéreis, onde eles engordarão até antes do abate”.

“Devido à superlotação, e com apenas uma única corrente pendurada no teto para enriquecimento, estes animais são propensos ao tédio e à luta, o que deixa alguns animais com feridas dolorosas”.

O grupo também afirma que as “porcas matrizes” são mantidas dentro de cercados de parto, que restringem seus movimentos.

O grupo disse: “Estas jaulas de metal, desenhadas para aparentemente permitir que os leitões possam mamar sem serem esmagados por suas mães, nem sequer permitem que as matrizes possam se virar, e elas não podem se mover mais do que uns poucos passos para trás e para frente ou permanecerem sentadas ou deitadas”.

“Elas ficarão dentro dessas jaulas por cerca de um mês a cada vez”.

“Com seus movimentos tão severamente restringidos, estas mães são também incapazes de cuidar de seus filhotes se houver problemas, e às vezes têm que assistir impotentes ao sofrimento e à morte deles ao seu redor”.

Uma parte do grupo ativista capturou imagens desde onde faziam o protesto passivo, enquanto uma segunda equipe transmitiu ao vivo a filmagem para as televisões no centro da cidade de Liverpool.

A JH Willis & Sons se recusou a comentar para o jornal ECHO, mas, de acordo com seu site, essa associação tem mais do que meio século de experiências na indústria agropecuária.

Não se acredita que ela esteja operando ilegalmente.

De acordo com o Departamento para Desenvolvimento, Alimentos e Assuntos Rurais (DEFRA), há legislação específica para proteger o bem-estar de todos os porcos, que cada fazenda operacional, independentemente da escala ou método de produção, deve cumprir.

Cercados de parto são legais. Embora seja preferível evitar o confinamento de todas as porcas, os cercados protegem os leitões de serem esmagados pelas porcas, uma das maiores causas da mortalidade dos porcos.

Há requisitos legais para minimizar as lesões nos leitões enquanto se maximiza o acesso às porcas para permitir que os leitões se amamentem.

O DEFRA também tem um código de bem-estar que os mantenedores de porcos devem, por lei, estar familiarizados e ter acesso a ele.

Um novo projeto de código de bem-estar dos porcos, atualmente perante o Parlamento, afirma que “o objetivo é que os cercados de parto deixem de ser necessários, e que qualquer sistema novo proteja o bem-estar da porca, bem como dos seus leitões”.

A Polícia de Cheshire disse ao Liverpool ECHO: “A Polícia de Cheshire estava ciente de que um protesto teria lugar na área do Marsh Lane, em Ince, no fim do final de semana”.

“Os oficiais compareceram ao protesto por precaução e não houve incidentes relatados de desordem”.

“As pessoas têm o direito legal de protestar, e o papel da polícia é equilibrar imparcialmente com os direitos daqueles afetados pelos protestos para que possam continuar com suas atividades de negócios ou deslocamentos”.

Tradução de Fátima C G Maciel

Fonte: ECHO via The Word News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.