Ativistas de Forquilhas (SC) são ameaçados de morte

Ativistas de Forquilhas (SC) são ameaçados de morte
Fotos: Bois de Forquilhas

Não chega a ser uma reviravolta no caso Bois de Forquilhas, mas com certeza, por essa os ativistas não esperavam: após mais de um mês do resgate e manejo dos animais no lar temporário em Biguaçu/SC; a equipe iniciou uma nova vakinha para transportar os bovinos, preferencialmente todos de uma só vez. O local, um Santuário que, por motivos de segurança, só será anunciado na fase final da operação; no momento só tornam público que fica no estado do Espírito Santo.

Na manhã desta terça (13), o ativista T. R. partiu para um translado de mais de 2000 km entre SC e ES para averiguar se o território possui realmente condições de tutelar 33 dos 60 bois que sobraram do profundo estado de maus-tratos e desnutrição no bairro Forquilhas, cidade de São José/SC.

sc_sao_jose_forquilhas_ativistas_ameacados_morte_3

O imprevisto

Acontece que, na tarde do último domingo (11), o pecuarista Paulo Cesar da Rosa, mais conhecido como “pouca-roupa”, um dos homens mais ricos da região, foi até o local e exigiu que liberassem sua entrada, alegando ao caseiro que aqueles bois haviam sido roubados. A cena foi estarrecedora, principalmente pela maneira obcecada e ameaçadora como o homem se mostrou, mesmo após tanto tempo depois do resgate e possuindo ele, muitos outros animais morrendo nas mesmas condições em diversas regiões de Santa Catarina.

Aterrorizada, a equipe estratégica se reuniu na noite de domingo para acelerar o processo de partida dos animais para o Santuário e pagar um segurança que viajará de Porto Alegre para Biguaçu unicamente para fazer a proteção nos bois durante todas as noites que ainda restam até sua partida.

Segundo os ativistas e, mesmo por orientação da advogada Barbara Hartmann Cardoso, não há como proteger os bois unicamente por meios legais agora: “Não dá para marcar bobeira e colocar tudo a perder. No dia do resgate, um amigo do pecuarista disse que ia ter volta: mataria todos os ativistas [e quem sabe até os bois]. Evidentemente que foi feito boletim de ocorrência e obtivemos medida protetiva, mas temos que estar preparados de que tudo pode acontecer vindo de pecuaristas; o que mais importa agora é que os animais estejam devidamente protegidos; não basta apenas recorrer à justiça depois de algo mais grave já tiver ocorrido!”

Evidentemente, tudo isso implica em gastos extras para a operação. O pagamento do segurança mais barato que conseguiram custará R$1.200 por doze dias de resguardo dos bois; tempo pelo qual, os ativistas esperam já terem arrecadado o montante para aluguéis de carretas a fim de acondicionar com segurança os 33 bois, mais a construção necessária de um embarcador que será feito em mutirão (quem quiser ajudar a equipe, entre em contato pelo whats (48) 9985-6056 – sem isso, não há como eles subirem nos caminhões.

A única imposição do local para onde irão os animais é a construção de cercas de segurança para que eles não fujam para áreas de risco. O cerceamento da propriedade foi avaliado por baixo em R$ 9 mil reais.

Os ativistas ainda não possuem o valor da logística, mas sendo eles, os mesmos que levaram o boizinho “Agenor, o Boi” de Santa Catarina para o Santuário Vale da Rainha em Minas Gerais, cujo itinerário pode ser calculado por todos: 2 reais o km do diesel para 1800 km entre ida e volta, resultou o valor de um único caminhão R$4000 reais (2 km diesel X 1.800 km = 3.800 reais – porém, o caminhoneiro acresceu R$200 reais por ter achado a estrada muito ruim); acreditam agora que a ida dos 33 bois de Forquilhas para o estado do Espírito Santo implicará no aluguel de 3 ou mais carretas e, por enquanto, se eximem de fazer qualquer previsão – a não ser, a certeza de que eles não possuem nem metade do suficiente ainda.

sc_sao_jose_forquilhas_ativistas_ameacados_morte_1

Portanto, as doações não podem parar. A operação Bois de Forquilhas está claramente acionando todos os vegetarianos e veganos do Brasil. Inclusive a última postagem em sua página oficial trouxe polêmica na última semana quando centenas de eventos bombaram por todo o país: “Onde estão os 18 milhões de vegetarianos do Brasil?”

Segundo a porta-voz da equipe, Luh Pires: “Este é um momento histórico, um retrato de todas as conscientizações feitas nas redes sociais para abolição animal. Os bois de Forquilhas são um simbolo da queda da pecuária – o pecuarista havia desistido de sustentá-los porque não davam mais lucro. Agora, vem querer tomá-los de volta e à força bruta. Nós estamos dando o sangue para proteger e salvar estes animais de matadouro. É urgente que as pessoas mostrem o quão é expressivo o volume de vegetarianos e veganos ao nosso lado. Não é por nós, é pelos animais. Nos ajudem a protegê-los e enviá-los o quanto antes para o Santuário. Esses bois são um emblema da luta pela libertação animal.”

Vakinha para proteger os bois e enviá-los o quanto antes para o Santuário >> https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-a-levar-os-bois-para-o-santuario

DOAÇÕES EMERGÊNCIAS 

Georgia Paula Martins Faust

CAIXA
Ag 1924
Op 013
Conta 25404-3
CPF: 032.751.569-42

Por Luh Pires

Fonte: Bois de Forquilhas/SC

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.