Maus-tratos. Elefante ignorado no Zoológico de Aragón. (Imagem: Facebook Diana Muñoz)

Ativistas denunciam maus-tratos a animais em zoológico no México

Apesar de o governo de Claudia Sheinbaum garantir que esteja tentando converter os zoológicos da Cidade do México em centros de proteção animal, ativistas denunciam abandono e maus-tratos.

Depois de uma série de denúncias em redes sociais que acusam maus-tratos e péssimas condições de vida dos animais que permanecem no Zoológico de Aragón, a chefe de governo, Claudia Sheinbaum, garantiu que o objetivo de sua administração é que esses lugares sejam convertidos em verdadeiros centros de proteção e conservação da fauna.

Em uma conferência de imprensa, Sheinbaum reconheceu que no Zoológico de Aragón há também um tema trabalhista que deve ser verificado, “já que alguns funcionários que pedimos que trabalhem, não querem trabalhar”.

Morte e maus-tratos de animais

Através da conta no Twitter, “Peludos al Aire En Sintonia x los que no tienen voz” e da página do Facebook “Abriendo Jaulas & Abriendo Mentes”, foi compartilhada uma série de vídeos onde são exibidas as más condições nas quais vivem os animais em Aragón.

Um caso é o de Karo, uma das zebras desse zoológico que está confinada há vários meses, com várias feridas, sem alimentos e comendo seu próprio excremento.

Enquanto que no caso de Ely, um elefante que mora neste zoológico, a ativista Diana Muñoz denunciou que este elefante africano sofre devido à falta de comida e de atendimento veterinário.

Ely suffering tremendously in the Aragon Zoo in Mexico and now we have a better understanding of why .. Terrible…

Gepostet von Diana Munoz am Freitag, 20. September 2019

Também houve denúncia de que uma gnu morreu em agosto, a qual estava lesionada, e que com ela também morreu um coiote.

De acordo com as publicações dos ambientalistas e versões dos funcionários de Aragón, registrou-se um total de 10 animais mortos devido às más condições deste zoológico.

A versão do governo da Cidade do México

A respeito disso, a chefa de governo da Cidade garantiu que seu governo investirá mais recursos tanto no Zoológico de Chapultepec, como no Zoológico de Aragón, dado que “a última vez que investiram recursos neste último foi justamente entre 2000 e 2006 e, desde então, praticamente não houve investimento de nenhuma verba”, e com isso a segunda etapa deste zoológico ficou abandonada.

Também explicou que há um Comitê de Bioética dentro da Secretaria do Meio Ambiente, particularmente da Direção Geral de Zoológicos, na qual participa a Faculdade de Veterinária da UAM, inclusive universidades privadas e que, depois dessas denúncias, a secretária do Meio Ambiente, Marina Robles Garcia, e o diretor geral de Zoológicos, Fernando Gual Sill, fecharam uma parceria com este comitê para atender às denúncias.

“Este é um assunto que deve ser esclarecido, tem que ser feito e não pode acontecer, se é que está acontecendo algo desse tipo”, disse a chefe de governo.

“Nosso objetivo nos zoológicos é, na realidade, transformá-los em centros de proteção animal, de conservação. De tal forma que faça parte inclusive de um programa que temos do lobo mexicano, onde os lobinhos que nascem são levados (depois de nascer em cativeiro) e libertados para que possam sobreviver fora do zoológico, e a ideia é poder fazer isto realmente como centro de conservação da fauna”, destacou Sheinbaum.

Versões encontradas

A versão da chefe de governo, através da conta @ZoologicosCDMX, difundiu que os animais vistos em más condições já estão recebendo tratamento adequado, de acordo com uma publicação do dia 18 de setembro.

Mas os ativistas contestaram com um vídeo do dia 20 de setembro onde o animal ainda não recebe nenhum alimento:

“Os companheiros de Abriendo acabaram de publicar este vídeo que foi gravado há alguns minutos, e Ely ainda não come”.

Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Expansión Política

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.