Ativistas denunciam tortura e espancamento de elefantes em Kerala, Índia

Na terra com festivais em templos onde o elefante é principalmente uma parte inseparável da tradição, alguns elefantes que são exibidos são muitas vezes ameaçados, espancados e torturados.
Rana, uma elefanta de um ano de idade, foi resgatada de Kasaragod em 2013, onde foi encontrada presa em uma cerca de arame farpado em uma área agrícola. Ela tinha ferimentos por todo o corpo. Salva pelos moradores que a viram, ela foi levada para o acampamento de reabilitação de elefantes em Kottur, a 40 km de Thiruvananthapuram. Agora, aos quatro anos de idade, ela está saudável, alegre e brincalhona.

FINALMENTE ENCONTROU UM LAR

Cada um dos doze elefantes neste campo do departamento florestal tem uma história como a de Rana. Da mais jovem, Poorna, com 3 meses de idade, que se recupera de seus ferimentos depois de cair em um poço, ao mais velho, Mani, de 70 anos de idade, eles ou se perdem ao se afastar de suas manadas, ou às vezes são abandonados. Mas agora eles têm um lar longe do ambiente selvagem, onde são banhados, alimentados e, em seguida, soltos na natureza selvagem para uma caminhada livre e sem correntes.

“Nós os tratamos bem e cuidamos deles, mas não os deixamos voltar para a selva porque eles podem não ser adaptar tão facilmente. Os deixamos livres e lhes damos a atmosfera da natureza selvagem. Com alguns nem sempre podemos fazer isso, pois estão inquietos e podem ficar perigosos”, diz TS Sukesan, guarda diretor do Departamento Florestal de Kerala.

VIDAS AMEAÇADAS

Mas nem todos os jumbos do estado de Kerala têm esta sorte. Na terra com festivais em templos onde o elefante é principalmente uma parte inseparável da tradição, alguns elefantes que são exibidos são muitas vezes ameaçados, espancados e torturados. Pelo menos 18 desses elefantes morreram no estado este ano.

“Dezesseis deles eram jovens. Apenas dois morreram numa idade natural. O décimo-oitavo deste ano morreu hoje em Kottayam. Ele foi exibido durante as recentes celebrações de Ganesha Chathurthi, mesmo estando doente”, disse Rajeev N Kurup, ativista dos direitos dos animais. Os dois cenários contraditórios vêm do mesmo lugar, muitas vezes referido como o país do próprio deus. Enquanto um dá o exemplo, o outro continua a ser uma luta de longa data entre a tradição e os direitos dos animais.

Por Revathi Rajeevan / Tradução de Alda Lima

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.