Ativistas fazem protesto no Recife por causa de maus-tratos contra animais

Ativistas fazem protesto no Recife por causa de maus-tratos contra animais
Ativistas realizaram manifestação para pedir penas mais rigorosas para quem comete crimes contra animais, no Recife — Foto: Joseph Joni/TV Globo

Entidades de defesa da causa animal realizaram um ato, na manhã deste sábado (8), em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Eles cobram penas mais rigorosas para quem pratica maus-tratos contra bichos. (Veja vídeo abaixo)

VÍDEO: Defensores dos animais fazem manifestação na Zona Sul do Recife

De acordo com os organizadores da manifestação, cerca de 150 pessoas participam da mobilização.

O ato ocorreu na frente do supermercado Carrefour localizado no bairro. O local foi escolhido por causa da relação com um caso de morte de um cão, ocorrido na filial da empresa, em Osasco, em São Paulo.

Com faixas e cartazes, os ativistas saíram do Segundo Jardim e foram até a Avenida Domingos Ferreira, uma das principais de Boa Viagem. Eles ficaram sobre a calçada para chamar a atenção da população.

Segundo os ativistas, atualmente, a lei de proteção ambiental não prevê prisão para quem comete crimes violentos contra animais.

“Exigimos cadeia para quem comete crimes contra os animais”, afirmou Ricadro Cruz, da entidade Cuidando das Pessoas e Salvando os Animais.

Resposta

Por meio de nota, o Carrefour informou que se reuniu com organizações não-governamentais e entidades que atuam pela causa animal, ouvindo solicitações e recomendações. Algumas ações foram anunciadas pela empresa, ainda segundo a nota.

Entre elas, estão: revisão dos procedimentos internos para lidar com animais abandonados no entorno das lojas; revisão dos treinamentos de colaboradores, parceiros e prestadores de serviço e ampliação das feiras de adoção de animais em todo o país.

Além disso, o supermercado informou que pretende fazer o reaparelhamento do Centro de Controle de Zoonoses de Osasco, bem como criar o ‘Carrefour Pet Day’, a ser realizado anualmente no dia 28 de novembro, data da morte da cachorrinha.

Nesse evento, a empresa se compromete, segundo a nota, apoiar com recursos entidades de acolhimento e defesa animal.

O supermercado disse, ainda, que colabora com as autoridades para que o caso seja elucidado o mais rápido possível e reforça que não vai se eximir da responsabilidade.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.