Ativistas nus deitam cobertos de sangue falso para exigir o fim da indústria de peles

Ativistas nus deitam cobertos de sangue falso para exigir o fim da indústria de peles
Cerca de 70 ativistas dos direitos dos animais se despiram e sujaram seus corpos com sangue falso para protestar contra a indústria de peles no centro de Barcelona no domingo, dia 2. créditos: @AnimalNaturalis

Cerca de 70 ativistas dos direitos dos animais se despiram e mancharam o corpo com sangue falso para protestar contra a indústria de peles no centro de Barcelona, na Espanha.

O incidente ocorreu na Praça da Catalunha, na região nordeste da Catalunha, Espanha, durante as vendas da Black Friday no dia 2, domingo, e as imagens foram amplamente compartilhadas nas redes sociais.

O protesto foi coordenado pela organização de direitos dos animais Anima Naturalis para conscientizar as pessoas a respeito dos “milhares de animais maltratados e assassinados todos os anos pela indústria de peles” e exigir que as autoridades espanholas proíbam a prática.

A criação para peles foi proibida em vários países europeus, incluindo o Reino Unido e a Alemanha, mas permanece legal na Espanha.

O protesto foi coordenado pela organização de direitos animais Anima Naturalis para conscientizar as pessoas a respeito dos “milhares de animais maltratados e assassinados todos os anos pela indústria de peles” e exigir que as autoridades espanholas proíbam a prática. – crédito: @AnimalNaturalis

O protesto consistiu em dezenas de ativistas deitados no chão, cobertos de sangue falso, enquanto uma mulher sentada segurava uma placa e gritava “sofrimento não é elegante”.

Sua placa dizia: “Quantas vidas por um casaco?”

O protesto nu com sangue falso pretendia mostrar como os animais ficam após serem esfolados por sua pele.

A organização escreveu no Twitter: “Mais de 70 ativistas corajosos se colocaram no lugar dos animais vítimas da indústria de peles e couro. Crueldade não é elegante!”

Segundo um porta-voz da Anima Naturalis, os animais mais afetados pelo comércio de peles são visons, furões, raposas, focas, lontras, vacas e chinchilas.

O protesto consistiu em dezenas de ativistas deitados no chão, cobertos de sangue falso, enquanto uma mulher sentada segurava uma placa e gritava “sofrimento não é elegante”- crédito: @AnimalNaturalis
O protesto nu com sangue falso teve como objetivo mostrar como os animais ficam após serem esfolados por suas peles. – Crédito: @AnimalNaturalis

A Anima Naturalis disse que cães e gatos também são usados ​​para roupas na China.

O grupo afirmou que cerca de 32 milhões de animais são sacrificados por suas peles na Europa todos os anos.

Os primeiros países a proibirem a criação para peles foram o Reino Unido, em 2000, e a Áustria, em 2004.

A organizadora da manifestação, Cristina Ibanez, disse: “Nosso país [Espanha] evita discutir o assunto e é hora de alinhar a legislação espanhola com o resto da Europa” – Crédito: @AnimalNaturalis
Em dezembro de 2012, a Holanda, que é o segundo maior produtor de visons da UE, aprovou a proibição da criação para peles e eliminará totalmente a produção de visons até 2024.

Outros países que introduziram leis para proibir ou eliminar progressivamente a criação para peles incluem Croácia, Eslovênia, Itália, Grécia, Suécia e Alemanha.

A organizadora da manifestação, Cristina Ibanez, disse: “Nosso país [Espanha] evita discutir o assunto e é hora de alinhar a legislação espanhola com o resto da Europa”.

Por Shophie Tanno / Tradução de Alda Lima

Fonte: Dailymail

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.