Ativistas organizam eventos para protestar contra o uso de animais como alimento

Ativistas organizam eventos para protestar contra o uso de animais como alimento

Ativistas que querem o fim do uso de animais para alimentação ocuparam uma fazenda de perus perto de Fort Macleod, no Canadá,  na segunda-feira.

Na terça-feira, um grupo menor estava na Estrada 3, a leste de Fort Macleod, com placas pedindo o fechamento da Bouvry Exports.

“Não somos um grupo de bem-estar, eu diria”, disse Angel Chen, ativista no evento. “Não estamos procurando por gaiolas maiores e melhores”. 

“Queremos granjas vazias e o fim da exploração animal”.

Trinta e cinco ativistas se trancaram dentro da fazenda de criação livre de perus operada pela Jumbo Valley Farms, enquanto outros 45 protestaram do lado de fora com placas.

“Estávamos lá para testemunhar as condições de vida dos perus criados soltos”, disse Chen.

Uma das demandas dos ativistas era que a mídia no local pudesse visitar o viveiro de perus para promover a transparência da indústria.

“Acreditamos que, se todos vissem o que acontece dentro dessa fazenda de perus criados soltos, não comprariam o produto”, disse Chen.

A Real Polícia Montada do Canadá cumpriu a segunda demanda ou ponto de negociação de que nenhum dos ativistas dentro da granja de perus seria preso e acusado.

A terceira demanda, que também foi atendida, foi que cinco perus fossem libertados aos cuidados dos ativistas.

“Liberamos cinco vidas”, disse Chen. “Eles vão para um santuário para viverem suas vidas em liberdade e felicidade sem serem explorados”.

Os ativistas ficaram agradavelmente surpresos com a cooperação que receberam dos funcionários da Jumbo Valley Farms.

O ministro da Agricultura de Alberta, Devin Dreeshen, foi ao Twitter para condenar a ação dos ativistas.

“Este ataque a uma fazenda de perus é inaceitável”, twittou Dreeshen. “Agricultores e pecuaristas que trabalham duro não precisam lidar com o assédio de manifestantes ilegais. Eles não deveriam se preocupar com pessoas que entram no seu trabalho, interferem com suas vidas ou ameaçam a saúde de seus animais”.

Chen disse que os ativistas estão dispostos a invadir a propriedade privada para apoiar a causa.

“Há injustiças cuja realidade realmente precisa ser mostrada ao público”, disse Chen.

“Os ativistas estão dispostos a arriscarem suas próprias liberdades para proteger os direitos e a liberdade de milhões de animais”.

Eles afirmam que existem alternativas ao uso de animais como alimento, uma mensagem que um grupo menor de cerca de dez ativistas promoveu na terça-feira ao longo da Estrada 3.

“Estamos aqui de forma independente”, disse Chen sobre os ativistas de Colúmbia Britânica, Alberta e Inglaterra.

“Somos apenas um grupo de cidadãos preocupados tentando conscientizar sobre os direitos dos animais”.

Chen e outros ativistas sabem que têm um grande trabalho pela frente para convencer as pessoas a deixarem de usar animais como alimento.

Eles estão convencidos de que aumentar a conscientização fará com que isso aconteça.

“Uma vez que sabemos melhor, temos que fazer melhor”, disse Chen.

Por Frank McTighe / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: Macleod Gazette

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.