Ativistas protestam contra o laboratório da Universidade de Otago, onde 11.358 animais morreram no ano passado

Ativistas protestam contra o laboratório da Universidade de Otago, onde 11.358 animais morreram no ano passado
Ativistas dos direitos dos animais contemplam os corações de cartolina no prédio do laboratório de pesquisa com animais. (Foto: Stephen Jaquiery)

Um coração de cartolina representando cada animal que morreu pelo ensino e pesquisa na Universidade de Otago, na Nova Zelândia no ano passado, foi pendurado no prédio da nova instalação de pesquisa animal no último dia 27.
Os 11.358 corações foram colocados pela Sociedade Antivivissecção da Nova Zelândia e outros grupos ativistas pelos direitos dos animais.

“Cada coração representa um animal que foi morto pela Universidade de Otago por pesquisa, testes e ensino no ano passado”, disse a diretora executiva da Sociedade, Tara Jackson.

O grupo quer que a universidade mude o propósito do novo prédio de $50 milhões para pesquisas baseadas sem uso de animais.

Dentro de duas horas, os corações foram removidos pelos funcionários da universidade.

“Nós estamos muito preocupados por esta reação”, Jackson disse.

“Se pesquisas sem uso de animais realmente são os melhores e mais avançados métodos de pesquisa que a universidade pode ter acesso, por que eles sentem que precisam esconder isso tão rapidamente?”

Uma porta-voz da universidade descreveu os corações como “grafitagem”.

Um protesto contra o laboratório estava marcado para ser realizado do lado de fora do prédio Hercus no último dia 29.

Funcionários da limpeza da universidade se encontraram com o grupo para discutirem o protesto.

“A universidade acolhe discussão pública em curso sobre como equilibrar a necessidade de permitir avanços médicos e científicos importantes com as questões éticas em torno de pesquisas que envolvem animais”, disse um porta-voz da universidade em um comunicado.

A Sociedade Antivivissecção da Nova Zelândia e outros ativistas dos direitos dos animais colocaram corações de cartolina no último dia 27 em protesto ao número de animais que foram mortos na Universidade de Otago no ano passado. (Foto: NZPA)
A Sociedade Antivivissecção da Nova Zelândia e outros ativistas dos direitos dos animais colocaram corações de cartolina no último dia 27 em protesto ao número de animais que foram mortos na Universidade de Otago no ano passado. (Foto: NZPA)

“A universidade possui a visão de que pesquisas com uso de animais são um componente vital em tais avanços”.

“Todas as tais pesquisas realizadas em Otago passam por um processo ético estrito de aprovação e são realizadas da forma mais humana possível”.

“Deveria ser ressaltado que a universidade sempre proibiu explicitamente o teste de produtos finais nos animais, e apoia alternativas para pesquisas com animais onde estas são viáveis”.

Por Eileen Goodwin / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.