Ativistas realizam protesto em João Pessoa contra morte de cães em Igaracy, PB

Ativistas realizam protesto em João Pessoa contra morte de cães em Igaracy, PB
Manifestantes se concentraram no Busto de Tamandaré, em João Pessoa. (Foto: Andréa Medeiros/Arquivo Pessoal)

Ativistas de ONGs de proteção aos animais e moradores de João Pessoa se concentraram no final da tarde deste domingo (11), no Busto de Tamandaré, em Tambaú, para uma mobilização contra a matança de cerca de 50 cachorros na cidade de Igaracy, no Sertão paraibano, na última terça-feira (6). A mobilização se estendeu até 19h.

De acordo com Andréa Medeiros, presidente da ONG Missão Patinhas Felizes, foram levados animais resgatados para mostrar que não é preciso de eutanásia. Além disso, um abaixo assinado foi repassado para recolher assinaturas dos manifestantes com o objetivo de solicitar uma audiência pública para esclarecer o que aconteceu na cidade de Igaracy.

VÍDEO: Ativistas realizam protesto em João Pessoa contra morte de cães em Igaracy

O caso foi revelado após denúncias feitas por moradores de Igaracy na última terça-feira (6) e ganhou grande repercussão. De acordo com as denúncias, a prefeitura, através da Secretaria Municipal de Saúde, ordenou a morte dos animais alegando que eles estavam abandonados nas ruas, apresentando perfil violento e com doenças.

Após recomendação do Ministério Público da Paraíba (MPPB), o prefeito da cidade, José Carneiro Almeida da Silva, exonerou José Carlos Maia do cargo de secretário de Saúde do município. A exoneração foi divulgada na noite da quinta-feira (9) e aconteceu em função do envolvimento do então secretário com a matança de mais de 30 cães. Por meio de nota, a assessoria informou que José Carlos Maia vai ficar afastado do cargo até que o inquérito sobre a morte dos animais seja concluído.

Cães foram sacrificados pela prefeitura de Igaracy, Sertão da Paraíba (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)
Cães foram sacrificados pela prefeitura de Igaracy, Sertão da Paraíba (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.