Ativistas recolhem 200 mil assinaturas para proibir rinha de cães no México

Ativistas recolhem 200 mil assinaturas para proibir rinha de cães no México
Ativistas recolhem 200 mil assinaturas para proibir lutas de cães (Foto: Reprodução Internet)

Em exposição à imprensa a legisladora, assim como Verónica Flores, diretora da associação AGAPE e Antón Aguillar, diretor do Humane Society International, clamaram a Comissão de Justiça que se discuta a iniciativa que já foi abordada.

“O chamado é para que o presidente da Comissão de Justiça, Álvaro Ibarra Hinojosa, realize seu trabalho e cumpra o que estabelece a lei para que convoque as sessões que sejam indispensáveis para discutir e faça valer esta iniciativa”, disse a deputada.

Lembrou que a iniciativa que ela apresentou frente à câmara dos deputados e Julho passado foi remetida a comissão citada, e o objetivo é erradicar as brigas de cães e tipifica-las como delito no código penal federal.

“A lei estabelece que seja 45 dias para poder tornar lei uma iniciativa e se pediu que fosse prorrogada por outros 45 dias para que não prescreva. A próxima semana se cumpre 90 dias desta iniciativa e nos encontramos com a notícia de que a comissão de justiça não há prorrogado o prazo”, afirmou.

A também secretária da mesa diretiva recordou que a iniciativa que apresentou subscrição ao coordenador de sua bancada, Clemente Castañeda Hoeflich e o deputado Elías Octevio Iñiquez Mejía do partido Ação Nacional( PAN).

Explicou que se busca que as pessoas que estão envolvidas com as brigas de cães sejam punidas, bem como aquelas que cedem o espaço, as que assistem as que levam os instrumentos para adestrar cães e as que permitem que menores de idade tenham acesso a estes eventos.

Considerou necessário legislar sobre a matéria, dado o fato de que é um problema que afeta aos direitos dos animais e ao bem estar animal.

“Por um lado esta iniciativa nos permite lutar pela defesa dos direitos dos animais, mas também contra o crime organizado e a decomposição social”, concluiu.

Tradução de Nelson Paim

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.