Atobá-pardo com asa machucada é resgatada em Guarujá, SP

Atobá-pardo com asa machucada é resgatada em Guarujá, SP
Ave foi encontrada em Guarujá (SP) com a asa esquerda machucada — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental

Uma ave da espécie atobá-pardo foi resgatada por policiais ambientais na tarde de domingo (23) em Guarujá, no litoral de São Paulo. O animal estava com uma asa machucada e apresentava dificuldades para voar. Ela foi levada para um aquário na cidade onde fará tratamento até o momento da soltura.

De acordo com informações da Companhia de Policiamento Ambiental Marítimo, durante patrulhamento pelo costa do município de Guarujá, uma equipe notou uma ave marinha que permanecia na água mesmo com a aproximação da lancha patrulha. A atitude do animal levantou a suspeita de que ela pudesse estar com dificuldades para voar.

Os militares providenciaram o resgate da ave e identificaram que o animal estava com a asa esquerda quebrada. Após o salvamento, o animal foi encaminhando a um aquário no município, onde ficará em tratamento até sua soltura.

Policiais perceberam que ave não saía da água mesmo com a aproximação da equipe — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental
Policiais perceberam que ave não saía da água mesmo com a aproximação da equipe — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental
Atobá-pardo

O atobá-pardo (Sula leucogaster) tem entre 65 a 75 centímetros e pesa, em média, de 725 a 1.550 gramas. É conhecido também como alcatraz-pardo, toba, mergulhão, mambembo e mumbebo. A espécie é típica dos mares tropical e subtropical.

Com fama de pescador nato, em geral quando mergulha atrás do peixe é certeiro (mesmo quando está a grandes alturas). O atobá-pardo pesca também na flor d’água e, para proteger suas penas, frequentemente as “rega” com o óleo que sai de glândulas especiais que possui e o mantem “quase” impermeável.

Ave foi resgatada em Guarujá (SP) com a asa esquerda machucada — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental
Ave foi resgatada em Guarujá (SP) com a asa esquerda machucada — Foto: Divulgação/Polícia Ambiental

O atobá gosta de voar em bandos e, ao cair da tarde, procura ilhas para pernoitar. Para distinguir machos de fêmeas, basta observar as cores da plumagem no entorno dos olhos. No macho, o tom é azulado-escuro e, na fêmea, amarelo-escuro.

Um de seus principais inimigos naturais são as fragatas, que roubam seus alimentos. Fora isso, embora não seja uma espécie ameaçada, enfrenta problemas como a poluição (sobretudo o derramamento de óleo nos oceanos), que contaminam os peixes, sua principal fonte de alimento, além de sofrerem acidentes com redes de pesca, fios e linhas de pipas (em regiões mais urbanas).

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.