Audiência pública decide por mais caçadores para matar javalis em SC

Animais causam prejuízos na agricultura e podem passar doenças a suínos. Audiência pública em Lages teve como principal solução aumentar o abate. 

Javalis vêm causando prejuízos para a agricultura da serra catarinense. Além de estragarem as plantações, esses animais também podem transmitir doenças a suínos. Em uma audiência pública no dia 7 úlimo em Lages, a principal solução encontrada para o controle da espécie foi aumentar o número de caçadores, como mostrou reportagem do RBS Notícias.

Manter a propriedade cercada e protegida dos javalis custa caro e não são todos os produtores que têm condições de fazê-lo. Para eles, a solução mais viável é o abate dos animais.

Na propriedade do produtor rural Emílson de Sá Ávila, em Capão Alto, há hectares cercados por muro de pedras, o que protege dos javalis. Porém, na área onde planta feijão e batata, ele contabiliza grandes prejuízos, que aumentaram bastante nos últimos cinco anos. “Nos 45 hectares de feijão e 28 de batata, são danos completos”, lamenta.

Além dos prejuízos para a agricultura, os javalis podem colocar em risco a qualidade sanitária do rebanho de suínos do estado. “Esse animal é um parente do suíno. Portanto, ele poderia transmitir essas doenças”, explica o secretário-adjunto de Agricultura de Santa Catarina, Airton Spies.

Caça

A caça ao javali já é permitida, mas para isso é preciso uma liberação da Polícia Militar Ambiental. O número que caçadores, que precisam ter uma arma própria legalizada, não é o suficiente para conter os prejuízos.

A principal solução encontrada para o controle dos animais foi aumentar o número de caçadores. “Nós precisamos também fazer esse abate dentro de regras de bem-estar animal”, reforça o secretário-adjunto.

Fonte: G1 

Nota do Olhar Animal: Perguntas aos que defendem e propagam as hipócritas medidas de “bem-estar” para animais mortos para consumo humano e se sentem moralmente confortáveis com elas: os programas de “bem-estar” incluem, por exemplo, os javalis massacrados por caçadores para preservar a “qualidade sanitária do rebanho de suínos”? Como será o “abate dentro de regras de bem-estar animal” feito por CAÇADORES, citado pelo secretário-adjunto? Como se vê, a balela “bem-estarista”, falaciosa por natureza e que não dá conta de cuidar nem daquilo a que se propõe, não alcança as demais implicações da exploração animal. Lamentavelmente, o Grupo Especial de Defesa Animal do Ministério Público de SC, criado há anos, sempre foi inoperante. Não há autoridade em SC que questione medidas como estas, que pressione pela captura, esterilização e envio desses animais para um santuário, o que preservaria os javalis e a agricultura. E também ninguém para denunciar os caçadores por maus-tratos e apurar as responsabilidades de quem os autorizou. Lembrando que quem introduziu os javalis foram criadores, que acabam não sendo responsabilizados pela situação.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.