Austrália vai massacrar mais de um milhão de cangurus

Austrália vai massacrar mais de um milhão de cangurus
Estatísticas oficiais mostram que mais de um milhão e meio de cangurus foram mortos em 2015 (Foto: Kiyan/Flickr/Reprodução)

O governo da Austrália, junto com fazendeiros e caçadores, deverá matar mais de um milhão de cangurus este ano. A justificativa do abate está na proteção de pastagens devastadas e animais selvagens.

Grupos de proteção de animais criticam a medida e alertam que a matança ilegal pode reduzir drasticamente o número da espécie, ao ponto de se tornarem extintos, caso o abate continue. “Se você levar em conta o número de cangurus abatidos a cada ano e os números atingidos e mortos pelos carros, gira em torno de milhões por ano”, disse o secretário do grupo Upper Hunter Valley Wildlife Aid Brad Smith ao jornal The Independent.

Um porta-voz da Secretaria de Meio Ambiente e Patrimônio da Austrália afirmou que as cotas de abate são sustentáveis a longo prazo. Estatísticas oficiais mostram que mais de um milhão e meio de cangurus foram mortos em 2015, mas grupos de proteção acreditam que os números podem ser ainda maiores.

“Quem sabe o que vai acontecer no futuro? Eles podem se extinguir. Eles se reproduzem como moscas, mas como eu disse apenas 40 por cento chegar à idade adulta, e como as populações nas cidades crescem, os cangurus também estão perdendo seu habitat, o que só está colocando-os em maior risco de serem mortos”, afirmou Smith ao jornal inglês.

Fonte: Diário de Pernambuco 


Nota do Olhar Animal: O massacre de cangurus atende às necessidades patológicas de caçadores por sangue e às demandas especistas de ambientalistas. Soluções eticamente aceitáveis nem passam pela mente dessas pessoas. A ação esquizofrênica de eliminar determinados animais para “proteger” outros é a primeira que lhes ocorre. Mas estes animais ora “protegidos”, que não “ousem” se reproduzir muito, pois se o fizerem, acabarão como vítimas dessas mesmas pessoas.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.