Autoridades mexicanas denunciam ritual tradicional por maus-tratos a animais

Autoridades mexicanas denunciam ritual tradicional por maus-tratos a animais

Uma denúncia popular alertou a Procuradoria Federal de Proteção Ambiental (Profepa) sobre um ritual chamado Kost Kaal Pato.

Tradução de Marli Vaz de Lima

mexico ritualmaustratos1

A autoridade mexicana de proteção ao meio ambiente informou na quarta-feira (20) que apresentou uma denúncia geral à Procuradoria de Yucatán contra a realização de um ritual em que os participantes arrancam as cabeças de patos vivos.

Em um comunicado, a instituição disse que a denúncia popular alertou a Procuradoria Federal de Proteção Ambiental (Profepa) sobre o ritual “sangrento” chamado Kost Kaal Pato, realizado na comunidade de Citilcum.

“Trata-se de um ritual sangrento em que diferentes exemplares de animais domésticos são usados, principalmente patos, os quais são amarrados pelas extremidades a uma estrutura, geralmente feita de madeira, e um competidor deve arrancar com as suas mãos a cabeça do exemplar vivo”, descreveu a Profepa.

Por sua vez, a organização de defesa dos animais AnimaNaturalis denunciou que essa “tradição bárbara” também inclui pinhatas(1), onde figuras de papel não são preenchidas com frutas e doces, mas contêm dentro delas pequenos animais como iguanas e gambás, um tipo de marsupial que é protegido em outros países.

“A população de Citilcum bate nas pinhatas para quebrá-las. Os animais são mortos pelas pauladas ou esmagados”, disse a organização em um comunicado.

A Profepa reconheceu que os atos de crueldade com os animais domésticos não são de sua competência, mas considerou necessário apresentar uma denúncia “contra quem seja responsável” à Procuradoria Geral e à Secretaria do Meio Ambiente de Yucatán, já que “tal conduta é contrária à Lei de Proteção da Fauna deste Estado”.

Fonte: El Golfo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.