Aves marinhas são soltas após passar por reabilitação e tratamento em Florianópolis; FOTOS

Aves marinhas são soltas após passar por reabilitação e tratamento em Florianópolis; FOTOS
Aves apresentavam toxinfecção alimentar e deficiência nutricional, além de desidratação, estresse e parasitas oculares — Foto: Nilson Coelho/R3 Animal

Três gaivotas foram soltas na Praia do Moçambique, em Florianópolis, após passar por uma série de tratamentos reabilitação. A soltura ocorreu na terça-feira (3) e a informação foi divulgada na sexta (6), pela equipe da R3 Animal, por meio do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS).

De acordo com os responsáveis pelos cuidados, os animais foram resgatados entre os dias 22 de outubro e 2 de novembro. Um foi encontrado na Praia da Armação, em Penha, outro estava em Barra Velha e o outro em uma praia de Balneário Piçarras. Alguns deles, foram resgatados por instituições parceiras do PMP-BS.

Reabilitação foi feita pelas equipes da R3 Animal, por meio do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) — Foto: Nilson Coelho / R3 Animal
Reabilitação foi feita pelas equipes da R3 Animal, por meio do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) — Foto: Nilson Coelho / R3 Animal

Os ferimentos apresentados eram de toxinfecção alimentar e deficiência nutricional, além de desidratação, estresse e parasitas oculares. As aves passaram por exames e receberam medicação específica. Após o processo, voltaram a conseguir se alimentar e locomover sozinhas, de acordo com o projeto.

As equipes alertam para que, em caso de animais encontrados mortos ou debilitados, sejam eles mamíferos, tartarugas ou aves marinhas, a recomendação é entrar em contato com o telefone 0800 642 3341, para que a equipe do R3 Animal possa ir até o local verificar a situação dos casos.

Praia do Moçambique, em Florianópolis, na última terça-feira. — Foto: Nilson Coelho/R3 Animal
Praia do Moçambique, em Florianópolis, na última terça-feira. — Foto: Nilson Coelho/R3 Animal

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.