Aves são encontradas em péssimas condições em rinha em Timóteo, MG

Aves são encontradas em péssimas condições em rinha em Timóteo, MG

Sem local apropriado para manter as aves apreendidas, os pássaros ficaram responsabilidade de um dos suspeitos.

MG Timoteo rinha

Sete homens foram detidos e depois liberados no último sábado (11), acusados de maus-tratos contra animais. Eles estariam mantendo uma rinha de galo, na rua Dez no bairro Petrópolis, em Timóteo. A Polícia Militar Ambiental recebeu a denúncia de que em uma chácara estaria ocorrendo a prática.

Quando os PMs chegaram ao local depararam com vários veículos saindo da chácara. Mas os motoristas foram abordados. Dentro de alguns carros foram encontrados galos da raça “Índio”, que são usados em combate, alguns até a morte, nas rinhas.

As aves estavam acondicionadas em sacolas para guardar e transportar galos. Durante a confecção da ocorrência, um dos homens se identificou como o organizador do “evento”. Ele disse que alugou o local e montou as estruturas para que acontecesse a rinha de galo.

Com o organizador havia quatro galos muito feridos que haviam acabado de brigar e outros quatro em boas condições, mas com as esporas cortadas. No local onde as brigas entre as aves eram realizadas havia três arenas montadas, balança para pesagem das aves, medicamentos, bicos artificiais de metal e esporas.

Legislação

De acordo com a Lei Federal 9.605/98 atividade de maus-tratos configura crime ambiental. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos prevê detenção de três meses a um ano, e multa.

Por tratar-se de crime ambiental os participantes foram conduzidos em estado de flagrância até a delegacia, mas devido à suspensão do convênio da PM com o IBAMA não foi feito o auto de infração.

O delegado que estava de plantão orientou os militares, por telefone, que deixasse as aves na responsabilidade dos organizadores do evento, já que não tinha onde deixar os galos e as arenas por se tratar de fim de semana. Pelo mesmo motivo não foi feito um laudo de médico veterinário. Os participantes da rinha assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência e depois foram liberados.

Fonte: Diário Popular

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.