Babuíno de circo que passou 17 anos sozinho faz seu primeiro amigo

Babuíno de circo que passou 17 anos sozinho faz seu primeiro amigo
Tilin, na gaiola do circo onde ele viveu toda sua vida. (Foto: Facebook/Animal Defenders International)

Durante 17 anos de sua vida, Tilin era visto como nada mais do que um animal de circo – e quando ele não estava no palco, ele vivia na solidão.

Quando o babuíno do Hamadryas não estava na arena do circo, ele passava seu tempo trancado em uma gaiola minúscula na Bolívia. A triste realidade que ele sofreu sendo forçado a entreter o público finalmente chegou acabou em setembro de 2010, quando Tilin foi confiscado do circo e transferido para um santuário.

Ele foi resgatado pelo Animal Defenders International (ADI – Defensores Internacionais dos Animais), uma organização que fez uma campanha de sucesso para ajudar a promover uma proibição em 2009 para animais selvagens nos circos bolivianos.

“Tilin foi encontrado desesperado por companhia de primatas, vivendo perto de leões com uma corrente ao redor do seu pescoço”, James Shaw, que fundou o Lakeview Monkey Sanctuary com sua esposa, Sharon, contou ao The Dodo. “Esta corrente foi cortada e sua nova vida começou”.

O momento em que a corrente de Tilin foi removida.
O momento em que a corrente de Tilin foi removida.

Quando Tilin chegou ao Lakeview Monkey Sanctuary, na Inglaterra, ele não conseguia se mexer livremente. Suas pernas estavam fracas devido à falta de exercício e de movimento livre por anos. “Nós imediatamente nos apaixonamos por esse gigante gentil”, Shaw disse. “Seu caráter e espírito estavam intactos”.

Nas semanas que se seguiram à sua chegada, durante as quais ele permaneceu em quarentena no santuário, seus cuidadores liam para ele, permitindo que ele aprendesse suas vozes e se acostumasse com sua companhia (como resultado, Tilin agora é um grande fã de Jane Austen, Shaw disse).

Fotos: Lakeview Monkey Sanctuary
Fotos: Lakeview Monkey Sanctuary

Por meio de um regime de dieta balanceada e exercício, Tilin recuperou, lenta mas certamente, a força de suas pernas. Sua saúde mental também melhorou, e Shaw disse que ele percebeu uma diminuição em certos padrões de comportamento repetitivo que Tilin tinha desenvolvido durante seu tempo como animal de circo.

bolivia_babuino_circo_sozinho_amigo4

“Após anos de confinamento em uma pequena carroça, Tilin se virava repetidamente em um canto, replicando os comportamentos que ele usava para aliviar seu tédio e estresse no passado”, Shaw disse. “Felizmente, depois de algum tempo, isso parou e ele agora está calmo e relaxado”.

Mas a parte mais angustiante do passado de Tilin, de longe, foi o tempo que esse animal social viveu sem companhia. “Quando pensamos quanto tempo ele viveu uma vida solitária, nós pensamos no que aconteceu na nossa vida como humanos durante aqueles 17 anos; os lugares onde estivemos, as pessoas que conhecemos, os nascimentos, mortes e amores que todos nós experimentamos”, Shaw disse. “Para Tilin, seus dias eram sempre os mesmos. Isto nós queremos remediar o mais rápido possível”.

bolivia_babuino_circo_sozinho_amigo5

Através da sorte de um contato em comum, uma organização de resgate de animais chamada Animal Responsability Cyprus, os Shaws souberam sobre outro babuíno, da mesma espécie de Tilin, que estava vivendo com um pastor alemão em um santuário de burros.

Tina. (Foto: Facebook/Animal Defenders International)
Tina. (Foto: Facebook/Animal Defenders International)

Seu nome era Tina, e ela tinha nascido em uma instalação de reprodução em cativeiro em Israel antes de ter sido exportada com outro macaco para Cyprus, onde ela se tornou parte do comércio de animais exóticos do país. Depois que ela ficou muito grande para seus donos aos cinco anos de idade, eles a entregaram para um santuário de burros local.

Foto: Lakeview Monkey Sanctuary
Foto: Lakeview Monkey Sanctuary

Ela era outro babuíno que nunca tinha conhecido a amizade de sua própria espécie – e então os Shaws souberam que ela seria um par perfeito para seu garoto solitário. Tina chegou ao santuário em junho de 2011.

Tina foi introduzida a Tilin lentamente. Eles foram colocados ao lado um do outro com uma grade entre eles, e eram cuidadosamente observados sobre qualquer sinal de comportamento agressivo. Para os Shaws, logo ficou bem óbvio que Tina estava querendo ficar ainda mais perto de Tilin, que também gostava de mantê-la por perto. E finalmente chegou o dia de introduzir os dois, cara a cara.

Tilin e Tina sentandos perto um do outro com uma grade. (Foto: Facebook/Animal Defenders International)
Tilin e Tina sentados perto um do outro com uma grade. (Foto: Facebook/Animal Defenders International)

“A partir do momento que Tilin e Tina se encontraram, eles ficaram inseparáveis”, Shaw disse. “Eles correram na direção um do outro, se abraçando e vocalizando, então Tilin virou para nós humanos e, de forma bem clara, nos ameaçou para deixá-los sozinhos. Nós passamos as próximas horas nos escondendo atrás de árvores tentando monitorar a situação no caso de algo acontecer. Cada vez que Tilin nos via, ele mandava a gente embora”.

Foto: Facebook/Animal Defenders International
Foto: Facebook/Animal Defenders International

Hoje, Tilin e Tina continuam a ser um feliz casal “casado” juntos, com planos em andamento para construir um recinto ainda maior para que eles continuem a viver seus dias em paz juntos.

Foto: Lakeview Monkey Sanctuary
Foto: Lakeview Monkey Sanctuary

“Tilin e Tina são simplesmente incríveis juntos”, Shaw disse. “Para dois animais que nunca tiveram a chance de estar com sua própria espécie, vê-los relaxando ao sol, cuidando do pelo um do outro é emocionante… nós sentimos que eles realmente merecem o melhor depois de todo o trauma do passado”.

Foto: Facebook/Animal Defenders International
Foto: Facebook/Animal Defenders International

Para ajudar o Lakeview Monkey Sanctuary a continuar ajudando animais, você pode fazer uma doação aqui. Você também pode doar ao ADI para ajudar a salvar mais animais dos circos.

Foto: Lakeview Monkey Sanctuary
Foto: Lakeview Monkey Sanctuary

Por Zainab Akande / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.