Bactéria explica ‘morte misteriosa’ de 330 elefantes em Botsuana

Bactéria explica ‘morte misteriosa’ de 330 elefantes em Botsuana

Botswana, um país da África central, tem a maior população de elefantes selvagens do mundo – estima-se que um terço do total do continente – ou 130.000 animais – vivem lá. Mas esse número começou a diminuir de forma misteriosa nos últimos meses.

Desde março deste ano, uma quantidade atípica de carcaças emergiu ao redor do rio Okavango (também chamado de Cubango), capturada após o sobrevoo da região. E, segundo funcionários do governo do país, concluíram após analisar em laboratório amostras de solo, água e cadáveres desses animais, a culpa é de uma bactéria.

Conforme anunciado em nota divulgada por autoridades na segunda-feira (21), pelo menos 330 elefantes morreram por beber água contaminada com toxinas produzidas por cianobactérias. Conhecidas como algas azuis, muitas vezes se espalham por lagos que servem para abastecer a fauna da região – nem sempre são tóxicas para humanos e animais. 

Segundo especialistas, no entanto, esses micróbios podem tirar vantagem do aquecimento global porque preferem temperaturas mais altas. De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), a temperatura na África Austral tem subido duas vezes mais rápido do que a média global.

“Nossos últimos testes detectaram neurotoxinas produzidas por cianobactérias como a causa das mortes. Essa bactéria foi encontrada na água ”, disse Mmadi Reuben, diretor veterinário do Departamento de Vida Selvagem e Parques Nacionais de Botswana, durante entrevista coletiva na segunda-feira (21).

Segundo o responsável, a queda no número de mortos coincide com o final de Junho, período em que os lagos da região tendem a secar. Mas grande parte da história permanece aberta.“Ainda assim, temos muitas perguntas que ainda precisam ser respondidas. Por que apenas elefantes morreram [e não outros animais]? E por que apenas nessa área? ”

As autoridades argumentam que a caça predatória ao marfim, comum na região, já foi descartada como potencial causa de mortes. Isso porque as presas dos corpos de elefantes encontrados foram preservadas.

Uma hipótese é que fenômeno semelhante também esteja ocorrendo no Zimbábue, país vizinho. Lá, pelo menos 25 elefantes também foram encontrados mortos. As amostras foram enviadas para análise no Reino Unido.

Fonte: News Beezer

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.