Bairros rurais de Franca (SP) viram ‘depósito’ de animais

Bairros rurais de Franca (SP) viram ‘depósito’ de animais

O problema de animais abandonados não é novo em Franca e moradores reclamam que alguns bairros se transformaram em verdadeiros “depósitos de bichos”. O Paiolzinho e o condomínio de chácaras Belvedere dos Cristais são exemplos dessa realidade. Ontem, ao menos seis animais perambulavam próximo à rodovia Tancredo Neves, que liga Franca a Claraval (MG), e cinco na rodovia Cândido Portinari, entre Franca e Cristais Paulista.

“Todos os dias, abandonam animais aqui, principalmente cães. É uma tristeza ver os animais esperando seus donos. Ficamos com pena e acabamos alimentando, mas é impossível abrigarmos tantos animais. Eles correm perigo próximo à rodovia e se instalam perto das caçambas de lixo para encontrar comida. Muitos morrem de fome e frio”, disse o comerciante Valdecir Costa, 43, que mora há sete anos em uma chácara no Paiolzinho.

Inconformado com o constante abandono de animais próximo à sua casa, o técnico Odair Nascimento Garcia, 65, que cuida de uma chácara no Paiolzinho e outra no Belvedere dos Cristais, afirma não saber mais o que fazer para solucionar o problema. “Na semana passada, eram 20 cachorros brigando por comida próximo às caçambas. Parece que o bairro é um depósito de animais, todos os dias, veículos param aqui e abandonam cães e gatos, e não sabemos o que fazer. Infelizmente, esse é um problema de saúde pública.”

Para tentar amenizar o problema de animais nas ruas e evitar o aumento da população de cães e gatos, a Prefeitura, desde 2010, mantém um programa de castração. Em seis anos, de acordo com o secretário de Saúde, José Conrado Netto, aproximadamente 15 mil animais foram castrados. A prioridade é oferecida para animais que vivem nas ruas e os que são cuidados por voluntários.

“Desde 2008 está proibido recolher animais e encaminhar para o canil, salvo em casos em que eles são agressivos, tenham alguma doença contagiosa ou quando são animais comunitários, que serão castrados e, posteriormente, devolvidos para o local de origem”, disse Conrado Netto.

“Além da castração, tentamos trabalhar com a conscientização da população e a posse responsável. Equipes realizam ações em escolas da cidade trabalhando a responsabilidade e os problemas provocados pelo abandono dos animais, mas, infelizmente, muitos ainda abandonam e provocam esse descontrole e o aumento de animais nas ruas”, completou.

Mais informações sobre o programa de castração podem ser obtidas pelo telefone (16) 3711-9448.

Fonte: GCN

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.