Balanço da última edição Bazar Vegano Floripa e lançamento da 8ª e única edição de 2019

Em novembro do ano passado acorreu a 7ª edição do Bazar Vegano Floripa, realizado na associação de moradores da Lagoa da Conceição. O evento cultural mais uma vez reuniu muita diversidade, que foi se intensificando ao longo do dia.

Música independente, oficinas livres e rodas de bate papo com variadas questões sociais ocorrendo simultaneamente sob frequências plurais. Essa reunião com tanta gente que faz, traz uma energia que deixa saudades. Sons ancestrais com o instrumentista Brian que conhecemos tocando pelas ruas, Yoga do Riso e Aproveitamento Completo de Alimentos com a turma do Kombi Cura que roda por vários cantos do país, Plantas Medicinais Africanas com o nosso amigo Kara Modou, imigrante do Senegal, a Decolonização do Prato pela ativista urbano-agroecológica Ale Nahra, Agricultura Vegana por Alcir, agricultor aprendiz no Tymbaê, a Luta por Terra com Daltro da Ocupa Amarildo, a cantora e compositora Dandara Manoela e banda com seu recente álbum “Retrato Falado” crítico e combativo, mas que também que fala muito sobre amor. Amor que fortalece e dá energia para continuarmos lutando.

Esse bazar também teve agregada a Feira do Hip Hop, organizada pela guerreira Moa MC fechando o evento que antes teve o grupo de rap “As Margens” de Biguaçu soltando o verbo com canções afiadas como “Racismo Reverso” do álbum “Poesia Preta”, rodas lotadas sobre Ubuntu com o Professor Jairo que logo após retornou para Salvador-BA, a visceral presença de algumas Mulheres de População de Rua trazendo realidades sobre exclusões vividas, e o tema do evento Veganismo Negro com a Dhuzati Antiespecista vinda especialmente de Recife-PE bem na pegada de crítica a branquitude vegana hegemônica, questionando e enfrentando o capitalismo, desnaturalizando o racismo intrínseco a esse meio notavelmente elitista.

Não podemos deixar de também destacar um salve em máximo respeito a Kleber Geraldo Lelis Simões, o KL Jay, um dos precursores do RAP nacional com três décadas de história, que nos foi indicado e na humildade aceitou o nosso convite por acreditar na seriedade deste evento independente e colaborativo. Sem palavras!

E como uma feira de hip hop não pode deixar o grafitti de lado, tivemos a arte feita no dia por Tiago Kawata, que ficou muito bem situada na frente do palco, como Ação Antifascista, um tema que nunca foi tão falado quanto nos últimos anos da história deste país colonizado.

Arrecadamos 23Kg de feijão encaminhados pra comunidade do Monte Cristo e 400 reais já entregues ao Movimento Negro Unificado de Florianópolis (MNU) destinados ao apoio na construção da casa de Mãe Gracinha a qual dedicamos o evento, quilombola que tem duas filhas menores, de 6 anos de idade, sequestradas pelo estado racista corporativo.

Impossível deixarmos de citar o trabalho do produtor agroflorestal Robson de Campos, o Robinho de Biguaçu que vive do que planta sem veneno, sem consumir nem objetificar animais, e seu auxílio no tapete para doações ou trocas de sementes crioulas localizado logo na recepção. Todos os resíduos de nosso almoço popular servido no dia a R$10 foram encaminhados para a ocupação de plantio no aterro do Saco dos Limões, ideia fruto do 1º Encontro Agroecológico Antiespecista. Pra nós que estamos no bazar desde a primeira edição, é emocionante acompanhar essa evolução.

As mais de cinquenta expositoras sem patrão deram um banho de vida com suas artes, rangos, brechós entre outros, de economia solidária e justa, no máximo possível frente a resistência dos corres diários. Toda inventividade e capricho aliados as suas lições de vida, marca de nossos encontros.

Um evento construído por muitas pessoas, de corações que não cabem em salões nem em poucas fotos.

Após 4 anos de atividades chegamos ao fim da Cooperativa Abolicionista Vegana, que agora abre um novo projeto chamado Coletiva TMJ (TamuJuntu) vindo de encontro com as ruas. E pela 1ª vez o nosso evento está mudando de endereço para o centro da cidade, materializando um desejo nosso que já vem de tempos, visando um melhor acesso de resistência popular.

LANÇAMENTO DO 8º BAZAR VEGANO FLORIPA

Nossa próxima edição tem um novo endereço, mudando para um espaço autogestionado que já faz trabalho de base em direitos humanos há mais de 22 anos. O Instituto Arco-Íris fica localizado no centro da cidade, e nosso evento ocorrerá no mesmo Dia da Luta Antimanicominial. Criamos um evento nas redes sociais para tu confirmar sua presença e não nos perder de vista: http://www.facebook.com/events/437296500147904

Fica de olho, que em breve lançaremos a nossa nova programação cultural!

Pra quem pretende expor, mantemos a nossa política de receber a colaboração monetária de acordo com as possibilidade e consciência de cada pessoa que quer somar no evento. Para maiores informações, sugerimos a leitura da descrição do evento e acompanhamento das publicações para facilitar no entendimento de nossas políticas. Pessoas interessadas em expor, favor entrar em contato por [email protected]

Como pensar e agir sem excluir outras vidas?

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.