Baleia-cinzenta avistada na costa leste dos EUA depois de 200 anos dada como extinta no Atlântico

Baleia-cinzenta avistada na costa leste dos EUA depois de 200 anos dada como extinta no Atlântico
Baleia-cinzenta avistada ao largo da costa dos Estados Unidos da América no passado dia 1 de março. Cientistas avistaram o animal a partir de uma aeronave. Foto: New England Aquarium

As baleias-cinzentas (Eschrichtius robustus) desapareceram das águas marinhas europeias há cerca de 500 anos e foram dadas como extintas no oceano Atlântico por volta dos séculos XVII ou XVIII.

Em outubro de 2022, o investigador Youri van den Hurk, da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia, que trabalhava num projeto financiado pela Comissão Europeia para avaliar a possibilidade do regresso desse cetáceo aos mares da Europa, afirmou que “a baleia-cinzenta é a única espécie de baleia que desapareceu totalmente de um oceano inteiro”.

Embora se acredite que a espécie tenha começado a diminuir há quase 50 mil anos devido a fatores ambientais, a redução populacional foi fortemente intensificada pela pressão provocada pela caça baleeira de ambos os lados do Atlântico.

Mas nos últimos 15 anos vários avistamentos em águas atlânticas têm reacendido a esperança na possibilidade dessa baleia poder vir, eventualmente, a recolonizar esse oceano.

O mais recente aconteceu este mês, no dia 1 mais precisamente, ao largo da costa do estado de Massachussets, na costa leste do Estados Unidos da América (EUA). Cientistas do Aquário de Nova Inglaterra sobrevoavam o mar a cerca de 50 quilómetros a sul da cidade de Nantucket, quando avistaram uma baleia que não esperavam encontrar naquela região.

A partir da aeronave, mantiveram-se na área durante 45 minutos, captando várias fotografias do animal a partir do ar. Em terra, analisaram atentamente as imagens e confirmaram que, de facto, de tratava de uma baleia-cinzenta.

“O meu cérebro estava a processar o que eu estava a ver, porque este animal é algo que não deveria existir nestas águas”, recorda, em comunicado, Kate Laemmle, investigadora do aquário e uma das pessoas que ia a bordo do avião. Toda a tripulação ficou profundamente surpreendida pela aparição de uma espécie de baleia que há séculos foi dada como extinta no Atlântico.

As baleias-cinzentas, divididas em duas populações, costumam, agora, só ser encontradas do outro lado do continente americano, no Pacífico Norte, passando os meses mais frios do ano nessas águas e os verões mais a norte, no Ártico. Em dezembro de 2023, foi avistada uma ao largo da costa da Florida e os especialistas do Aquário de Nova Inglaterra acreditam que se trata do mesmo indivíduo que viram este mês.

Então, o que poderá explicar a presença inusitada de um baleia-cinzenta no Atlântico? Os cientistas sugerem que o aquecimento do planeta será a razão. Com a diminuição da quantidade de gelo no Ártico, sobretudo no verão, mares que antes estariam congelados estão agora desimpedidos, permitindo às baleias que residente na região do Pacífico navegarem pelo Estreito de Bering, entre a Rússia e o Alasca, contornar o Canadá e entrar no Atlântico, descendo pela costa leste do continente.

“Estes avistamentos de baleias-cinzentas no Atlântico recordam-nos do quão rapidamente as espécies marinhas respondem às alterações climáticas, se tiverem oportunidade”, explica Orla O’Brien, que também testemunhou o avistamento aéreo, juntamente com Laemmle.

Por Filipe Pimentel Rações

Fonte: Greensavers


Nota do Olhar Animal: Para que ocorra o desaparecimento de uma espécie de determinada região ou mesmo de todo o planeta é necessário, claro, que muitos INDIVÍDUOS pereçam, seja pela ação humana ou por eventos naturais. Destacamos os “indivíduos” porque quem sofre não é a abstrata “espécie” e sim cada um desses animais, reais e sencientes. O que vem à mente de quem defende os interesses dos animais é o incalculável sofrimento causado a cada animal, para que hoje a situação seja de extinção.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.