Baleia de 6,5 metros em avançado estado de decomposição encalha em praia de SC

Baleia de 6,5 metros em avançado estado de decomposição encalha em praia de SC
Baleia-jubarte em avançado estado de decomposição encalhada em Jaguaruna — Foto: Projeto EducaMar/Divulgação

Uma baleia-jubarte foi encontrada morta em avançado estado de decomposição em Jaguaruna, no Sul catarinense, informou o Projeto EducaMar. Foi retirada uma amostra do corpo do animal para que se tente descobrir a causa da morte.

O mamífero encalhou na sexta-feira (1º) e o atendimento ocorreu no sábado (2). Segundo o projeto, a baleia era uma fêmea de 6,54 metros de comprimento. O corpo estava na Praia Campo Bom.

Conforme o projeto, não havia ferimentos aparentes, mas o avançado estado de decomposição do corpo dificultou essa análise. Provavelmente, o animal morreu em alto-mar.

A amostra do corpo foi enviada ao Projeto Baleia Jubarte. A organização não soube informar se o laudo já foi concluído, mas disse que o avançado estado de decomposição pode comprometer um resultado preciso sobre a causa da morte.

Representantes de projeto fazem medição da cauda da baleia encalhada em Jaguaruna — Foto: Projeto EducaMar/Divulgação
Representantes de projeto fazem medição da cauda da baleia encalhada em Jaguaruna — Foto: Projeto EducaMar/Divulgação

O corpo foi deixado aos cuidados da prefeitura, que fará o sepultamento nesta segunda (4).

Segundo o Projeto Baleia Jubarte, 58 animais dessa espécie encalharam até setembro em Santa Catarina este ano.

Orientações

O Projeto EducaMar faz monitoramento de animais marinhos de praias entre Araranguá e Passo de Torres, no Sul catarinense, e fez o atendimento em Jaguaruna por ser a equipe mais próxima do local no momento.

Ao encontrar um animal marinho vivo ou morto, o projeto orienta:

  • entre em contato com o Projeto EducaMar pelo telefone 0800 642 3341 ou (48) 9 9984-5665
  • mantenha distância do animal
  • se o animal estiver vivo, não o empurre de volta para a água

Por Joana Caldas e Rachel Schneider

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.