Baleia doente encalhada tinha 30 sacos de plástico no estômago

Baleia doente encalhada tinha 30 sacos de plástico no estômago
Pesquisador exibe sacos de plástico encontrados no estômago de baleias de 2 toneladas - AP

Uma baleia passou a rondar a cidade de Bergen, na Noruega neste mês de janeiro. Várias tentativas foram feitas de guiar o animal de volta para águas profundas, mas a baleia voltava e encalhou três vezes. Aparentando exaustão e problemas de saúde, especialistas em vida marinha da região optaram por sacrificá-la. A baleia-bicuda-de-cuvier tinha seis metros de comprimento.

O animal foi examinado depois da morte para determinar o que havia de errado com ele. “O estômago estava cheio de plástico. Foram encontrados cerca de 30 sacos de plástico, grandes pedaços de plástico e muitas peças pequenas de plástico. Isso não é bom, é incrivelmente triste”, diz o zoólogo e professor Terje Lislevand, da Universidade de Bergen.

O pesquisador acredita que todo o material encontrado no sistema digestivo da baleia esteja por trás do comportamento estranho do animal. Tudo indica que ela estivesse sentindo muita dor.

“Esta baleia não foi feliz. O plástico formou uma grande bola em seu estômago e o encheu completamente. Pode ser que o plástico tenha entupido o sistema”, afirmou ele para o jornal Bergens Tidende.

Outro fator estranho sobre a baleia é que ela foi o primeiro exemplar a ser registrado na Noruega. “Esse tipo de baleia está presente em todo o mundo, mas com a gente é uma raridade. Eu certamente já ouvi rumores de um outro exemplar nas águas norueguesas, mas esta é provavelmente a primeira baleia-bicuda-de-cuvier e primeiro encalhado neste país”.

Ele explica que ela provavelmente comeu os plásticos acreditando que fossem lulas. “Plástico não é apenas um problema para a baleia, mas também para aves e tartarugas”, aponta.

Os ossos da baleia e os plásticos serão colocados em exposição no Museu de História Natural do país, provavelmente no verão de 2019, segundo o professor.

Fonte: Hipesciense

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.